Em setembro, a Microsoft anunciou que havia comprado a divisão de Dispositivos e Serviços da Nokia por cerca de US$ 7 bilhões. Mas uma aquisição desse porte não é feita da noite para o dia: ela só foi finalizada hoje.

Vale relembrar os termos da compra: a Microsoft levou a área de smartphones e celulares simples, a equipe de design, a equipe de marketing e suporte, mais a maioria das fábricas da Nokia.

Duas fábricas ficaram de fora: uma na Índia, que vai fabricar produtos para a Microsoft mesmo assim; e outra na Coreia do Sul, que será fechada. Os 200 funcionários receberão ajuda da Nokia para encontrar outro emprego.

A Nokia também vai licenciar o HERE Maps, mais patentes para a Microsoft durante dez anos, além de licenciar a marca “Nokia” para uso em dumbphones pelo mesmo período. Os smartphones ainda poderão usar os nomes “Lumia” e “Asha”, já que eles agora pertencem à Microsoft, mas aí está um detalhe meio triste: você não verá mais smartphones com a marca Nokia. Prepare-se para o Microsoft Lumia 945, ou algo assim.

Hoje, vários executivos da Nokia deixaram oficialmente seus cargos: Stephen Elop, Jo Harlow (smartphones e tablets), Timo Toikkanen (celulares), Juha Putkiranta (operacional) e Chris Weber (marketing e vendas). Todos já foram para a Microsoft.

Por isso, a “nova Nokia” agora consiste em três áreas: Nokia Solutions & Networks, que instala redes de celular 2G/3G/4G pelo mundo; o HERE Maps; e as patentes. A Microsoft, por sua vez, explica em comunicado o que representa para ela a aquisição:

A conclusão, em 25 de abril, da aquisição da divisão Dispositivos e Serviços da Nokia permitirá à Microsoft acelerar a sua participação em smartphones e celulares simples em mercados desenvolvidos e emergentes, e aumentar o seu papel como uma empresa de dispositivos e serviços.

Uma dúvida que me veio após tudo isso: será que a linha Nokia X com Android terá futuro na empresa? A Microsoft diz que vai “usar a vasta experiência da Nokia para fornecer dispositivos premiados com Windows Phone”, sem mencionar plataformas concorrentes. Mas Stephen Elop, em carta aberta, diz que “estamos comprometidos a continuar oferecendo suporte aos nossos smartphones de entrada, às famílias Nokia Asha e à Nokia X”.

Na segunda-feira, você poderá fazer perguntas diretamente a Stephen Elop sobre o futuro dos celulares na Microsoft: ele estará em uma sessão aberta de perguntas e respostas no Nokia Conversations, em 28 de abril às 10 h (horário de Brasília).

A Microsoft divulgou ontem seus resultados financeiros, que deixam de fora a aquisição da Nokia. Foram US$ 20,4 bilhões em receita no primeiro trimestre, mesmo valor de um ano atrás; e lucro líquido de US$ 5,7 bilhões, queda de 6% no mesmo período.