A ESA (Agência Espacial Europeia) aprovou o orçamento do Hera, o componente europeu de uma missão para lançar uma espaçonave contra um asteroide.

A crescente preocupação com a defesa planetária está motivando novas missões para estudar asteroides e potencialmente desviá-los de um curso de colisão com a Terra. Um desses projetos, a Avaliação de Impacto e Deflexão de Asteróides (AIDA), consiste na missão DART da NASA (Teste de Redirecionamento de Duplo Asteroide ) mais o Hera da ESA. Juntos, eles estudarão a eficácia de um impacto para afastar uma ameaça iminente de asteroide.

Talvez haja 25.000 objetos próximos à Terra (NEOs), coisas que orbitam o Sol em uma trajetória que se aproxima da órbita da Terra. Os cientistas designam um subconjunto desses como “potencialmente perigosos”, o que significa que eles medem 140 ou mais metros de diâmetro e se aproximam 0,05 AU da Terra, onde 1 AU é aproximadamente a distância entre a Terra e o Sol. Em 2005, o Congresso determinou que os cientistas da NASA catalogassem 90% desses asteroides potencialmente perigosos até 2020, uma meta que os cientistas americanos hoje estão longe de cumprir.

Enquanto isso, os cientistas estão trabalhando em outras iniciativas de proteção planetária, incluindo a visita de OSIRIS-REx ao asteroide potencialmente perigoso Bennu. Mas talvez a medida mais drástica até agora seja a AIDA.

A NASA anunciou no ano passado que seus pesquisadores haviam contemplado a construção de seu componente da missão, o DART. O DART viajará para o sistema de asteroide duplo Didymos, que consiste em uma rocha de 800 metros de largura e uma de 160 metros. A espaçonave colidirá com o asteroide menor a cerca de 6 quilômetros por segundo. O lançamento do DART está programado para 2021, visando uma colisão em 2022.

A ESA deveria então construir uma missão complementar, a Missão de Impacto de Asteroides, ou AIM, que seria lançada este ano e incluía recursos avançados de observação para estudar o Didymos antes da chegada do DART e monitorar o asteroide durante e após o impacto. Infelizmente, o AIM não deu certo; a Alemanha retirou sua parte do financiamento da missão em 2016, e então o diretor geral da ESA, Jan Woerner, cancelou a missão. A NASA avançou com o DART, com planos para monitorar da Terra a colisão. A ESA propôs uma missão alternativa em 2018 para substituir o AIM, chamada Hera.

A Hera está programada para ser lançada em 2024 e chegar ao sistema Didymos em 2027. Ela medirá a cratera de impacto produzida pela colisão do DART e a mudança na trajetória orbital do asteroide. Sua carga útil provisoriamente inclui dois pequenos satélites chamados cubesats que estudarão o asteroide menor de perto e potencialmente pousarão nele.

O órgão diretor da ESA se reuniu na Espanha na semana passada para decidir sobre quais propostas eles iriam avançar e financiar. Seus Estados membros concordaram em reservar 12,5 bilhões de euros nos próximos três anos, quase todo o dinheiro solicitado, para missões. Isso incluiu a aprovação de Hera, que a ESA anunciou em um vídeo de imprensa (sim, tem participação de Brian May, o guitarrista do Queen, que também é astrofísico).

Outras missões a receber financiamento incluem transporte espacial e programas de telecomunicações, bem como iniciativas relacionadas ao retorno de amostras de Marte e o Lunar Gateway.