Com medo do coronavírus, Moscou está usando reconhecimento facial para impor quarentena a milhares de pessoas que chegaram da China, de acordo com o Moscow Times. O vírus, que causa uma doença chamada COVID-19, está se disseminando mais rapidamente fora da China. Além disso, a Rússia vem recebendo críticas e questionamentos em relação a seu uso da tecnologia.

A Rússia fechou parcialmente sua fronteira com a China na última semana, proibindo a maioria dos cidadãos chineses de entrar no país. Mesmo assim, há pelo menos 2.500 pessoas atualmente em Moscou que foram instruídas a se colocar em uma quarentena auto-imposta por duas semanas. E as autoridades russas não têm medo de recorrer a medidas drásticas para manter essas pessoas sob controle.

O prefeito de Moscou, Sergei Sobyanin, anunciou em seu site na sexta-feira (21) o uso de reconhecimento facial para fins de quarentena. Ele explicou que as autoridades estavam realizando “batidas policiais em locais de possível residência (hotéis, dormitórios, apartamentos privados)” para encontrar cidadãos chineses que chegaram antes do fechamento da fronteira.

“Realizar batidas é desagradável, mas essas medidas são necessárias para quem pode estar contaminado pelo vírus e para outras pessoas”, escreveu Sobyanin.

O prefeito disse que as pessoas estão violando a ordem de quarentena de diversas maneiras. Segundo Sobyanin, algumas das pessoas monitoradas residem em prédios de apartamentos com até 600 pessoas.

No site de Sobyanin (traduzido pelo Gizmodo):

Alguns dias atrás, uma moradora da China veio a Moscou. No aeroporto, ela fez exames para detectar o coronavírus e recebeu ordens para ficar isolada por dois dias.

Os testes deram positivo. Eu vou lhe dizer a verdade — foi erro do laboratório. Mas não sabíamos disso na ocasião. Imediatamente, uma brigada de serviços médicos de emergência foi despachada para seu apartamento alugado e a mulher foi hospitalizada em uma ala de isolamento.

Seu vizinho (também morador da China) recebeu ordem de ficar em casa. Imagens das câmeras de vigilância mostraram que a mulher quebrou o regime de isolamento e saiu para passear no quintal [área comum] e conversar com seu conhecido. Ele também fez testes.

Recebemos os nomes e informações de contato de todos os 58 passageiros do voo Pequim-Moscou. Com a ajuda da análise de vídeo, conseguimos identificar o motorista do táxi que a mulher usou para ir para casa ao sair do aeroporto. E coletamos informações sobre todos os que moravam no prédio onde a mulher alugou um apartamento (mais de 600 pessoas).

Felizmente, não tivemos que colocar todas essas pessoas em quarentena, e um segundo teste para coronavírus feito pela mulher deu negativo.

Até o momento, houve dois casos de COVID-19 dentro das fronteiras da Rússia, dois cidadãos chineses que foram tratados e liberados do hospital. Um cidadão russo também foi diagnosticado com COVID-19, embora ele tenha contraído o vírus a bordo do cruzeiro Diamond Princess, que está ancorado em Yokohama, no Japão.

Além de batidas e reconhecimento facial, o governo russo também pediu que os funcionários públicos fossem os olhos e os ouvidos das autoridades locais. Segundo informações da EuroNews, os motoristas de ônibus russos estão sendo obrigados a denunciar qualquer cidadão chinês à polícia, mas a diretiva foi recebida com bastante confusão.

“Mesmo que os motoristas vejam pessoas da China a bordo, com que fundamento devem verificar sua identidade?” o chefe de um sindicato dos transportes disse à EuroNews. “E se ele não for chinês, mas coreano?”