A Agência de Alimentos e Medicamentos dos Estados Unidos (FDA, na sigla em inglês) autorizou o uso emergencial de um novo tipo de bafômetro que permite detectar a presença de Covid no hálito de pessoas. A novidade é menos invasiva que o teste PCR – que usa cotonetes para coletar amostras do fundo do nariz e da garganta.

O equipamento – batizado de InspectIR – tem o tamanho de uma bagagem de mão e requer um operador qualificado e treinado durante o teste, assim como a supervisão de um profissional de saúde licenciado e autorizado. Segundo a FDA, o resultado é emitido em menos de três minutos.

Desenvolvido pela empresa americana InspectIR Systems, durante o teste, a pessoa deve soprar através de um canudo por cerca de 10 segundos, para que o bafômetro receba uma quantidade de amostra viável. No vídeo abaixo é possível ver uma apresentação da tecnologia e como o equipamento funciona na prática.

Empresa espera que bafômetro seja usado em 64 mil testes por mês

O InspectIR utiliza uma técnica chamada de espectrometria de massa de gás de cromatografia gasosa (GC-MS), em que os gases são separados para identificar misturas químicas e detectar cinco compostos orgânicos voláteis que são associados à Covid.

Segundo a FDA, o bafômetro foi testado em 2.409 indivíduos, incluindo aqueles com e sem sintomas da Covid. Durante o estudo, o equipamento apresentou sensibilidade suficiente para detectar corretamente 91,2% de amostras positivas e 99,3% de amostras negativas. Já os falsos negativos chegaram a 4,2% das vezes.

A nova tecnologia pode ser utilizada em consultórios médicos, hospitais ou outros ambientes públicos, sendo facilmente transportável. Entretanto, a FDA ressaltou que o equipamento não deve ser usado como base única no diagnóstico do paciente, requerendo outros testes de Covid quando o resultado for positivo.

“A FDA continua apoiando o desenvolvimento de novos testes COVID-19 com o objetivo de avançar tecnologias que possam ajudar a enfrentar a atual pandemia e posicionar melhor os EUA para a próxima emergência de saúde pública”, afirmou a agência regulatória.

A empresa espera produzir cerca de 100 equipamentos do tipo por semana, que podem ser usados ​​para avaliar aproximadamente 160 amostras por dia. A ideia é expandir o uso do bafômetro para analisar 64 mil casos por mês. Porém, ainda não há informações sobre a expansão da oferta desse sistema para outros países além dos EUA.

Conforme apontou o site CNET, este é o primeiro bafômetro que recebeu aprovação da FDA para detectar Covid. Entretanto, várias outras empresas ao redor do mundo estão desenvolvendo equipamentos similares, como a Breathonix de Cingapura, a Owlstone Medical do Reino Unido, a GeNose C19 da Indonésia e a Scentech Medical de Israel, por exemplo.