A Intel anunciou seu conceito de realidade virtual Project Alloy em agosto, mas ninguém conseguiu testá-lo desde então. Tudo mudou essa semana na CES, onde a Intel mostrou um kit de desenvolvedor para alguns veículos da imprensa. O Gizmodo a teve sorte de ser convidado para a demonstração privada, e nós estamos felizes em anunciar que valeu a espera.

• A Intel fez um headset de realidade virtual totalmente sem fio
• 8 usos da realidade virtual que vão além dos videogames

Antes de entrarmos de cabeça na experiência, é importante darmos alguns avisos: antes de mais nada, esse não é um produto final. As imagens que estamos vendo são apenas do design de referência. A Intel planeja trabalhar com os fabricantes de hardware para produzir diferentes versões do headset.

intel_0002_alloy-2

O que permite o Project Alloy é o Intel RealSense, uma pequeno conjunto de câmeras que foi lançado na CES 2014. O set de câmeras é capaz de fazer um mapa 3D de qualquer quarto, junto com os objetos que estão nele. Desenvolvedores podem então usar o modelo 3D criado pelas câmeras para sobrepor gráficos sobre eles, o que é especialmente útil quando se quer criar uma experiência de realidade virtual dentro de uma sala.

O kit de desenvolvedores na verdade é um headset muito bonito considerando que é apenas um design de referência. É totalmente preto e tem conjuntos de câmera RealSense escondidas na parte frontal. Na parte traseira do headset está a bateria que permite o headset ser completamente sem fio.

intel_0001_alloy-3

Eliminar os cabos da parte de trás do headset de realidade virtual é maior do que parece. Qualquer um que já mexeu com o Oculus Rift ou o HTC Vive vai dizer como uma das piores coisas da experiência é ficar tropeçando no cabo que o conecta à energia e ao computador, especialmente se você está com o room tracking ativado.

O headset Project Alloy com o qual eu mexi permite que você ande por uma sala cheia de estantes de livros, uma mesa de centro, entre outros objetos. A sala da demo era montada como um pequeno apartamento. As câmeras RealSense levaram cerca de um minutos para escanear a sala, e mais um minuto para transformar os elementos da sala em elementos dentro do jogo. A mesa de centro virou um grande gerador e as estantes se transformaram em canos enferrujados e outros objetos estranhos vindos direto de um filme de ficção científica.

O jogo apresentado não tem um nome e não será disponibilizado para o público. Ele foi feito para mostrar o mapeamento e tracking 3D enquanto você anda pela sala atirando nos inimigos. O gameplay era parecido com SuperHot VR, mas você atirava em drones ao invés de humanos. Os gráficos também eram sólidos e facilmente comparáveis a qualquer coisa que eu joguei no Oculus ou Vive.

intel_0000_alloy-4

Meu único grande problema com o Project Alloy foi o controle. Parecia um pouco leve demais, quase comparável ao controle que vem com o headset Google Daydream. ele tem um trackpad bem vai o seu dedão e um gatilho na parte de trás. São controles de realidade virtual bem padrão no momento, mas a qualidade não se equiparava aos headsets de ponta.

Ainda assim, a experiência como um todo foi animal, especialmente comparada a outros headsets de realidade virtual de ponta. Eu estava um pouco cético quanto à importância de um headset sem fios, mas faz uma diferença incrível enquanto você está andando por uma sala, agachando atrás de objetos para desviar de balas, gira sua cabeça em todas as direções para atirar nos inimigos. Esse é um dos poucos produtos realmente inovadores da CES e um que eu que me deixou muito feliz de poder experimentar.

O developer kit do Project Alloy estará disponível no segundo trimestre do ano, e ainda não tem uma margem de preço. O público provavelmente não vai ver nada desse produto por um bom tempo, mas deixe eu ser o primeiro a dizer que a espera vai valer a pena quando um headset de realidade virtual sem fios finalmente chegar na sua casa.