O primeiro-ministro do Reino Unido Boris Johnson, 55, deu entrada nesta segunda-feira (6) na UTI (Unidade de Terapia Intensiva) após seu quadro de infecção pelo coronavírus ter piorado. Ainda não há detalhes sobre o estado de saúde do mandatário britânico. As informações são da BBC Brasil e da agência de notícias Reuters.

Neste período de ausência, Johnson determinou que o primeiro secretário de estado, Dominic Raab, o substituísse em suas funções, caso necessário.

Durante a noite de domingo (5), ele tinha deixado Downing Street, residência oficial do primeiro-ministro, em direção a um hospital de Londres, pois estava com sintomas persistentes, como febre alta.

No dia 27 de março, Johnson publicou no Twitter que havia testado positivo para COVID-19. Na época, ele dizia que estava com sintomas leves, como tosse persistente e febre. Desde então, ele ficou em auto-isolamento e trabalhando de casa.

Num primeiro momento, o primeiro-ministro britânico deu uma resposta menos rigorosa ao novo coronavírus. Na época, ele argumentava que queria que a população conseguisse uma “imunidade de grupo”. Basicamente, o fluxo de pessoas continuaria normalmente de modo a infectar boa parte dos cidadãos, criando uma imunidade em grande parte da população, o que dificultaria a circulação do vírus. Na ocasião, ele chegou a dizer que a livre propagação causaria a morte de milhares de “seus entes queridos antes do que pensavam”.

Johnson foi alvo de críticas e foi aconselhado por autoridades a mudar completamente a abordagem ao combate ao coronavírus devido à rápida infecção. Isso fez com que o Reino Unido passasse a desencorajar contatos sociais não essenciais e viagens desnecessárias, além de fechar escolas e banir eventos com grande aglomeração de pessoas, como jogos de futebol.