Já faz alguns anos que a indústria de smartphones declarou guerra aos fones de ouvido com fio e passou a remover a saída de áudio dos aparelhos. Aí, ou você recorre a um adaptador, ou você aproveita e compra um fone com conexão Bluetooth.

O Sony WH-CH700N é o fone Bluetooth com cancelamento de ruído mais barato da empresa. Ele não tem os mesmos recursos avançados dos irmãos mais avançados, como captar som ambiente para permitir que você ouça pessoas falando ou carros se aproximando. Por outro lado, a um preço sugerido de R$ 700, ele promete bom custo-benefício.

Eu testei esse fone por algumas semanas e conto como ele é.

Usando

Conectar o WH-CH700N é um processo simples. O emparelhamento usando NFC é bem fácil, e mesmo sem o recurso, não tive problemas para fazer o celular ou o computador reconhecerem o aparelho. O app Headphones, da Sony, traz alguns recursos bacanas, como equalizador, opções para ativar o assistente pessoal (Alexa ou Google Assistente) com o botão do cancelamento de ruído e modo de conexão.

Aliás, isso é curioso. O aplicativo oferece dois modos de conexão: um prioriza a estabilidade, e o outro, a qualidade do som. Só que eu achei o som mais estável no segundo, estranhamente. No primeiro, a música falhava por alguns segundos em certos momentos, principalmente quando eu estava andando na calçada. No segundo, a conexão ficava melhor, mas não perfeita. Ela dava uns “pulinhos” bem curtos, mas suficientes para atrasar a batida da música e causar um pequeno incômodo.

O som é bom. Obviamente, ele é inferior a de fones mais caros da própria marca — eu não fiquei impressionado com ele como fiquei com o WF-1000XM3, por exemplo. Mesmo assim, é agradável. Ele não é Extra Bass, como o WH-XB900N, mas tem um grave bem potente e marcante. Se você gosta de rap ou de música eletrônica, certamente ele vai agradar, já que dá para sentir o impacto da batida. Os médios e graves são honestos e reproduzem as músicas com fidelidade, mas sem muito brilho.

Sobre o design, o fone é bem grande e um pouco pesado. As conchas são grandes e não pegam nas orelhas, além de isolar bem o som ambiente. Infelizmente, elas apenas giram, mas não dobram em direção ao arco, o que faz com que ele ocupe bastante espaço na mochila. Além disso, achei o arco bem apertado. Se esse for o seu caso, descobri uma recomendação para fazer o fone ceder e ficar mais largo: colocar em alguns livros ou na caixa do próprio fone por alguns dias.

Bateria

Falando em bateria, a Sony promete 35 horas de autonomia com conexão Bluetooth e cancelamento de ruído, ou 50 horas com cabo e cancelamento de ruído. É difícil conferir uma autonomia tão longa, mas eu não tive motivos para duvidar dela: só fui precisar carregar os fones depois de duas semanas de uso.

O WH-CH700N ainda usa conexão microUSB. Ele vem com cabo, mas mesmo assim, é um padrão que já está começando a ficar ultrapassado. Meu celular é USB-C, e eu estou tendo mais dificuldade para achar cabos do padrão antigo nas minhas coisas.

Recursos

O fone vem com vários botões nas duas conchas. São tantos que eu fiquei bastante confuso nos primeiros dias. O melhor jeito que eu achei de memorizar foi que os controles básicos de música, como play, pause, avançar e retroceder e botões de volume, estão na direita, enquanto as funções extras, como cancelamento de ruído e ligar/conectar, estão na esquerda.

A concha da esquerda da foto vai no ouvido direito — veja o R em uma bolinha vermelha lá no arco.

Play, pause, avançar e retroceder, aliás, estão em uma alavanquinha. Ela é meio mole, e às vezes você acaba batendo nela e passando a música sem querer quando vai mexer no volume.

O WH-CH700N conta com cancelamento de ruído com inteligência artificial, que ouve os barulhos do ambiente onde você está e cria ondas para neutralizar o ruído. À primeira vista (ou seria à primeira ouvida?), não parece fazer tanta diferença, mas, ao desligar o recurso, você percebe como ruídos monótonos, como o motor do ônibus, são incômodos e estavam sendo anulados pelo fone. Eles não somem completamente, mas o aparelho faz um bom trabalho em abafá-los, o que deve ser bastante útil em viagens.

A boa notícia é que o WH-CH700N também é compatível com cabos P2. Claro, não tem muito sentido comprar um fone Bluetooth para usar com cabo, mas isso é útil em alguns contextos.

O primeiro deles é usar com o computador. Eu acho muito chato o trabalho de desligar o Bluetooth do celular, ligar o Bluetooth do computador e conectar o fone, sendo que nem é uma vantagem tão grande assim usá-lo sem fio. Então, acho mais fácil simplesmente plugar o cabo, e é muito bom que o fone dê essa opção.

Outro caso é quando acaba a bateria. Meu grande problema com fones true wireless, como Galaxy Buds, AirDots e Sony WF-1000XM3 é esse: se acabar a bateria, eles não servem para nada. Um fone com cabo evita esse tipo de problema.

Por outro lado, usar o fone com cabo impede que os botões de controle de música e de volume e os microfones sejam usados.

Aliás, assim como aconteceu com o WF-1000XM3, os microfones não funcionaram a contento. Em todas as ligações que eu fiz com eles, a pessoa do outro lado da linha reclamou de não conseguir ouvir a minha voz se eu falasse em uma altura natural. Eu precisava falar mais alto que o normal, o que não é nem um pouco legal de se fazer em um ônibus ou no meio da rua.

Conclusão

O WH-CH700N é um bom fone. Não é nada espetacular ou impressionante, mas tem uma qualidade de som consistente, um cancelamento de ruído eficiente e uma ótima duração de bateria. Por outro lado, a conexão Bluetooth e os microfones poderiam ser melhores.

Ele foi lançado com preço sugerido de R$ 800 e já pode ser encontrado por volta de R$ 700. Se você procura um fone com bons recursos e um companheiro de viagens de avião, trem ou ônibus, ele é uma opção interessante. Se conexão sem fio ou cancelamento de ruído são dispensáveis para você, procure alternativas mais baratas.

Fone Sony WH-CH700N
Headphone WH-CH700N com Noise Cancelling sem fio, com Alexa Integrada
R$600
O Gizmodo Brasil pode ganhar comissão sobre as vendas. Os preços são obtidos automaticamente por meio de uma API e podem estar defasados em relação à Amazon.