Sempre que o Google faz uma grande reforma em sua plataforma de relógios inteligentes, parece que a LG vem atrás com um novo smartwatch para testarmos se o sistema operacional é realmente bom. Infelizmente, a tentativa mais recente da marca não deu muito certo, mas, com o novo W7, a LG parece ter finalmente acertado os ponteiros — meio que literalmente.

[Review] Moto G6: honesto, estiloso, mas com prazo de validade
[Review] Smartphone de cinco câmeras da LG nos dá uma noção do futuro multi-lentes que nos espera

Com bons e velhos ponteiros mecânicos, o W7 é o primeiro relógio híbrido da LG. Além de fazer o serviço de dar as horas e os minutos, os ponteiros também podem ser usados para indicar várias coisas, como altitude, pressão do ar, direções em uma bússola, entre outras. Por dentro, há uma caixa de engrenagens entre honesta e boa feita pelo grupo suíço Soprod SA para entregar um movimento mecânico de verdade.

Clique aqui para ver as imagens em tamanho ampliado.

Dependendo do que você tenta fazer, os ponteiros se movem para mostrar onde está o norte, ou se agitam para mostrar que alguém mandou uma mensagem para você. Se eles estão impedindo que você veja o que está na tela, é só apertar e segurar o botão principal para eles saírem da frente.

Enquanto isso, a touchscreen por trás dos ponteiros, de 1,2 polegada, dá acesso ao resto do Wear OS, incluindo o novo monitoramento de saúde e fitness, sua interface mais direta e seu sistema de notificações aperfeiçoado.

A caixa do relógio é feita de aço inoxidável e conta com proteção contra água IP68, o que deve deixá-lo imune a qualquer umidade, exceto um mergulho completo para nadar. Ele também é mais pesado do que a maioria dos dispositivos inteligentes.

• [Review] LG G7 ThinQ: um smartphone para audiófilos e que tem deficiências graves
• [Review] Smartphone de cinco câmeras da LG nos dá uma noção do futuro multi-lentes que nos espera

E, para garantir que você conseguirá usá-lo para o básico, a LG criou um modo especial que deixa somente o relógio ativado. Com ele, a bateria do W7 dura 100 dias entre recargas. No uso normal, com todos os recursos ativados, a LG diz que você pode esperar algo em torno de dois dias.

Infelizmente, o W7 tem várias ressalvas. Em vez de contar com o Snapdragon Wear 3100, anunciado recentemente pela Qualcomm, a LG optou pelo mesmo Snapdragon 2100 que vem equipando os aparelhos com Wear OS nos últimos dois anos.

Parece um movimento ridículo. Dá para imaginar que, baseado em outras parcerias, a LG sabia que a Qualcomm estava trabalhando no Snapdragon 3100 há meses, e, mesmo assim, preferiu um chip ineficiente, que estará ultrapassado assim que chegar ao mercado.

O W7 também não tem nenhum monitoramento de frequência cardíaca ou 4G separado. Ele custa US$ 450 (R$ 1.764, em conversão direta), o que é US$ 100 mais caro que o equivalente Samsung Galaxy Watch. Exceto pelos ponteiros mecânicos, o W7 parece ter menos recursos que este concorrente.

Talvez usá-lo por um tempo me faça mudar de ideia. Por enquanto, eu estou intrigado e cético. O relógio parece muito bom, mas esse preço é muito alto para não vir com uma tonelada de funções.




Sempre que o Google faz uma grande reforma em sua plataforma de relógios inteligentes, parece que a LG vem atrás com um novo smartwatch para testarmos se o sistema operacional é realmente bom. Infelizmente, a tentativa mais recente da marca não deu muito certo, mas, com o novo W7, a LG parece ter finalmente acertado os ponteiros — meio que literalmente.