O presidente dos EUA, Donald Trump, assinou na quinta-feira (12) o projeto de lei de “desmonte e substituição”, legislação que corta efetivamente o acesso aos subsídios dos EUA para empresas como Huawei Technologies, ZTE e qualquer outro fabricante estrangeiro que as autoridades considerem um risco à segurança nacional, segundo uma reportagem da Reuters.

A Lei das Redes de Comunicações Seguras e Confiáveis, que antes passava pela Câmara e pelo Senado com aprovação unânime, também aloca US$ 1 bilhão para ajudar as operadoras de telefonia rurais a “desmontar” seus equipamentos e infraestrutura existentes desses provedores proibidos e substituí-los.

O Departamento de Justiça dos EUA emitiu várias acusações contra a Huawei, líder mundial em equipamentos de telecomunicações e um de seus maiores fabricantes de celulares, alegando que a empresa conspirou para roubar segredos comerciais, cometer fraudes eletrônicas e se envolver em extorsão ilegal. A Huawei nega firmemente essas alegações, chamando-as de “injustas e infundadas”, e argumenta que elas são apenas uma ferramenta para as autoridades prejudicarem a concorrência e alavancarem os negócios dos EUA.

Em comunicado à imprensa, a Casa Branca disse que essa legislação “ajudará a proteger a rede de comunicações vital de nossa nação e também garantirá que os Estados Unidos atinjam seu potencial em 5G”.

E, embora a apropriação de US$ 1 bilhão em doações venha mais tarde, a Rural Wireless Association ainda chamou a medida de um importante “primeiro passo para garantir o financiamento necessário para substituir as operadoras rurais”, informou a Reuters.

Essa proibição ocorre em um momento em que a Huawei continua avançando em suas tentativas de implantar sua rede 5G no exterior. No mês passado, o presidente da Huawei, Liang Hua, anunciou que a empresa deseja investir 200 milhões de euros (221 milhões de dólares) para construir uma estação base na França para ajudá-los a abastecer todo o mercado europeu com seus equipamentos de rede. As autoridades francesas também planejam aprovar o equipamento da Huawei para uso na rede 5G do país, de acordo com um relato recente da Reuters.

[Reuters]