Nesta semana, a foto de uma formação geológica em Marte ganhou as redes sociais por conta de um detalhe curioso. Uma rachadura vista nas pedras foi interpretada por alguns internautas como uma porta ou uma passagem, o que logo levou a criação de diversas teorias.

Cientistas do Laboratório de Propulsão a Jato da NASA acabaram com as suposições. A tal “porta” capturada pelo rover Curiosity não passa de uma fissura com cerca de 30 cm de largura por 45 cm de comprimento na cratera Jezero. A impressão é criada devido a aproximação feita da imagem. 

Porta Marte
Imagens obtidas pelo rover Curiosity em Marte. Imagem: NASA/Reprodução

Esse fenômeno psicológico em que nós, humanos, enxergamos formas reconhecíveis em objetos que não estamos familiarizados recebe o nome de pareidolia. Um exemplo bem simples é quando você olha para uma tomada e vê um rosto ali — com os pontos de encaixe se parecendo olhinhos e boca. 

Essa não é a primeira foto de Marte que gera burburinhos por sua semelhança com itens terrestres. Há 45 anos, a nave Viking 1 da NASA trouxe imagens que pareciam mostrar um rosto no planeta vermelho. 

Isso levou teóricos da conspiração a sugerir que Marte, no passado, foi habitado por uma civilização alienígena – e que a agência espacial estava escondendo esse fato. Você pode entender a história completa neste texto do Gizmodo Brasil.

Em 2018, imagens do Mars Reconnaissance Orbiter também apontaram para uma formação que lembrava um personagem dos Muppets. E em março deste ano, o rover Curiosity mostrou o que parecia ser uma flor em ambiente marciano.

Apesar das várias similaridades, tudo isso não passa de uma interpretação da mente. A existência de vida em Marte não foi comprovada – muito menos a presença de vida inteligente, capaz de construir portas ou monumentos no planeta vermelho. Na real, enxergar formas reais em Marte é só uma versão mais sofisticada daquele velho hábito de tentar enxergar formatos em nuvens. Boa sorte tentando provar seu ponto.