O Google é meio inconstante quando se trata de produtos de hardware, mas não há dúvida de que o Chromecast tem sido um grande sucesso desde a primeira versão, lançada em 2013. Ele ajudou a mudar o jeito que ouvimos música ou assistimos a filmes e séries.

Quando o Chromecast foi lançado em julho de 2013, causou uma sensação que se repetiria com a da estreia do Amazon Echo no ano seguinte — uma peça de tecnologia que inicialmente parecia desnecessária e supérflua, muito simples e básica para ser de qualquer utilidade real. Por que exatamente precisamos disso?

A resposta rapidamente se tornou óbvia: o Chromecast evitava as interfaces inchadas e lentas das smart TVs época para transmitir conteúdos de um smartphone, tablet ou laptop de forma rápida (e acessível) para uma tela maior na mesma rede Wi-Fi. Era incrivelmente fácil de usar e, fundamentalmente, ganhou rapidamente suporte para todos os principais players de mídia no Android e iOS (no lançamento, o primeiro Chromecast funcionava apenas com YouTube, Netflix, Google Play Filmes e TV e Google Play Música).

Este novo e inteligente dongle superou as Apple TVs e Rokus da época em preço e simplicidade. Desde então, ele está ficando cada vez melhor — adicionando mais formatos, oferecendo suporte a mais aplicativos e estendendo-se para mais dispositivos. Estamos todos acostumados com isso agora, mas naquela época, passar um stream de vídeo do seu celular para sua TV (com HDMI) com apenas alguns toques parecia quase mágica.

Aqui está tudo o que você precisa saber sobre o Chromecast e como ele funciona.

Como funciona o Chromecast

O termo Chromecast é frequentemente usado para se referir tanto ao hardware quanto ao software da operação, mas, tecnicamente falando, o dongle do Chromecast está fazendo uso de um protocolo chamado Google Cast para colocar áudio e vídeo numa tela grande (às vezes é chamado de “Chromecast integrado” nas embalagens e descrições de produtos).

Talvez a parte mais inteligente de toda a operação seja que o Google Cast se conecta à web diretamente em vez de tentar transmitir qualquer coisa de seu telefone ou de outro dispositivo conectado. Depois de saber o que você quer reproduzir, ele o puxa direto da nuvem para que você possa continuar usando seu telefone ou tablet para outras tarefas sem interromper a transmissão.

Foto: Adam Clark Estes/Gizmodo

Ele pode funcionar localmente também, no entanto, e é capaz de espelhar as telas dos telefones Android mais novos, bem como as guias do navegador Google Chrome (os dispositivos Chromecast na verdade executam uma versão reduzida do Chrome). Você pode experimentá-lo abrindo o menu do Chrome em um laptop (o ícone mostrando três pontos) e escolhendo Transmitir para procurar dispositivos Chromecast locais. No entanto, esse streaming local não é tão suave e não é particularmente adequado para vídeos.

O que você talvez não tenha notado é que muitos serviços de streaming podem ser transmitidos de dentro de um navegador da web para desktop, bem como de um aplicativo móvel: Netflix, YouTube e Plex são três serviços que oferecem suporte para transmissão no browser. Nesse caso, você não está transmitindo a guia do Chrome, mas dizendo ao Chromecast de onde pegar o vídeo, então a reprodução na tela grande deve ser muito mais suave.

O Google lançou um amplo conjunto de ferramentas para ajudar os desenvolvedores a preparar seus aplicativos móveis e da web para o Cast — em muitos casos, não é necessário muito trabalho extra para converter um aplicativo de streaming em uma versão pronta para o Google Cast, com muitos dos codecs e formatos mais comuns compatíveis nativamente.

Captura de tela: iOS

Com o passar do tempo, mais e mais aplicativos adicionaram suporte ao Google Cast, incluindo ferramentas de apresentação, apresentadores de fotos e até mesmo alguns jogos básicos. Os próprios Chromecasts também se desenvolveram, com novas opções para definir um modo ambiente quando nada está sendo reproduzido, permitir o acesso de convidados (para alguém que não está conectado à sua rede Wi-Fi) e controlar a mudança entre diferentes dispositivos.

Os aplicativos estão ficando mais inteligentes para trabalhar com o Chromecast e o Google Cast também — se você estiver transmitindo do aplicativo do YouTube em seu telefone, por exemplo, quando for reproduzir um novo vídeo, será questionado se deseja vê-lo imediatamente ou adicioná-lo à fila de vídeos enviados para seu dispositivo Chromecast. Os Chromecasts também ganharam uma nova vida em termos de jogos como os principais dispositivos para colocar o Google Stadia na tela grande.

Como usar o Chromecast agora

Um novo aparelho foi lançado recentemente no exterior: o Chromecast com Google TV. Ele oferece suporte para vídeo 4K a 60 fps com HDR via Dolby Vision e redefine o que o é: este é o primeiro Chromecast com controle remoto e o primeiro a vir com suporte à instalação de aplicativos no próprio aparelho. Você não precisa mais de um dispositivo separado para o Chromecast, porque você pode executar aplicativos como Netflix e Hulu diretamente da interface novinha em folha do Google TV.

De certa forma, é uma pena ver a simplicidade do Chromecast original desaparecer, mas os dispositivos de streaming mudaram muito nos últimos sete anos, e o Google obviamente sentiu que um Chromecast mais avançado era necessário. Ele ainda se conecta via HDMI e você ainda pode transmitir áudio e vídeo para ele a partir de um dispositivo separado, se necessário, como nos velhos tempos.

Foto: Sam Rutherford/Gizmodo

Um Chromecast básico de US$ 35 (ou cerca de R$ 400 no mercado brasileiro) continua à venda (oferecendo vídeo 1080p a 60fps), mas parece que o Chromecast Ultra foi aposentado. O Chromecast com Google TV é o novo Chromecast premium pronto para 4K, para o bem ou para o mal (embora o modelo Ultra ainda venha com o Stadia, até que o suporte seja adicionado ao modelo mais novo no próximo ano).

Existem muitos mais dispositivos compatíveis com Chromecast por aí. O Google Nest Hub Max pode funcionar como um dispositivo Chromecast, assim como qualquer coisa com Android TV, seja uma televisão Sony ou uma Nvidia Shield TV. O Google afirma que o Google TV se tornará a interface padrão ou camada superior do Android TV nos próximos anos, tanto em produtos antigos quanto em novos.

Os recursos do Chromecast também estão aparecendo em mais e mais produtos de áudio, incluindo alto-falantes de marcas como LG, Sony, Bang & Olufsen, Philips, Pioneer e outros, bem como a linha Nest de alto-falantes inteligentes. Para fins de streaming de áudio, os alto-falantes podem ser agrupados em salas, e também é possível mudar a sala em que a música está tocando com alguns toques.

Captura de tela: Android

Quanto ao suporte de aplicativos, seria mais fácil listar os aplicativos que não permitem que você transmita áudio e vídeo. O aplicativo da Apple TV é talvez o mais importante a não se conectar a um Chromecast — que surpresa — mas quase todos os outros aplicativos de streaming de áudio e vídeo bem conhecidos funcionarão, seja no Android, iOS ou na web.

O aplicativo Google Home para Android e iOS não é essencial para fazer a transmissão, mas você precisa dele para configurar o aparelho, e ele é útil para mudar as opções, bem como para transmitir a tela de um dispositivo Android. Você também pode usar o aplicativo para configurar seus serviços padrão para comandos de voz, para que também possa obter conteúdo em um Chromecast com o Google Assistente.