A fabricante de carros elétricos Tesla está em alta, com um valor de mercado de US$ 606,9 bilhões e ações que subiram 813% este ano. Mas Elon Musk queria muito vender a empresa para a Apple na época em que a Tesla estava passando por dificuldades. Tim Cook, CEO da empresa desde 2011, não quis nem marcar uma reunião com Musk para discutir a possibilidade – pelo menos essa é a história que Musk contou.

“Durante os dias mais sombrios do programa Model 3, entrei em contato com Tim Cook para discutir a possibilidade de a Apple adquirir a Tesla (por 1/10 do nosso valor atual). Ele se recusou a marcar a reunião”, disse Musk em seu Twitter na última terça-feira (22).

Esses “dias mais sombrios” provavelmente ocorreram em 2018, quando a empresa de Musk lutou para cumprir as metas de produção do Model 3. Foi um momento difícil para a Tesla, com relatos de falhas no piloto automático e investigações sobre condições de trabalho inseguras.

E os problemas de Musk naquele ano não se limitaram ao Model 3. Ele colocou em risco sua autorização de segurança na SpaceX e na Força Aérea depois que foi visto fumando maconha no podcast de Joe Rogan, chamou aleatoriamente uma pessoa inofensiva de pedófilo, sofreu ações judiciais coletivas sobre seus tweets estranhos, anunciou um túnel de alta velocidade em Chicago que não deu em nada, e até foi processado pela Comissão de Valores Mobiliários dos Estados Unidos (SEC).

Musk estava desesperado para se livrar da Tesla várias vezes na última década, e ele recorreu a diversas fontes diferentes quando precisava de dinheiro. E a Apple estava longe de ser a primeira grande empresa de tecnologia que não tinha nenhum interesse real em comprar a Tesla.

Como observa o Guardian, o cofundador do Google, Larry Page, quase comprou a empresa de Musk durante um “acordo verbal” em abril de 2013, de acordo com a biografia de 2015 Elon Musk: Tesla, SpaceX e Quest For a Fantastic Future de Ashlee Vance. O preço pedido era de US$ 6 bilhões, de acordo com o livro, mas Musk queria permanecer à frente da empresa por pelo menos oito anos e obter US$ 5 bilhões para expandir as fábricas da Tesla, algo que aparentemente não agradou os advogados do Google.

Musk não criou a Tesla, ao contrário do que muitas pessoas pensam. A empresa foi fundada em 2003 por Martin Eberhard e Marc Tarpenning, e Musk investiu na empresa pela primeira vez em 2004, embora o bilionário ainda se intitule um cofundador. Eberhard e Tarpenning foram expulsos da empresa por Musk no final dos anos 2000 e Eberhard processou o cofundador da SpaceX (Musk realmente a criou) por difamação e quebra de contrato. A ação foi encerrada por um valor não divulgado.

A Tesla está atualmente indo muito bem financeiramente, tornando-se a última empresa a entrar no índice S&P 500. Mas achamos que a Apple sobreviverá sem a Tesla. Sim, a Apple ainda está trabalhando em um carro autônomo previsto para 2024 de acordo com um novo relatório divulgado esta semana, mas mesmo sem um carro, a Apple está arrecadando lucros históricos.

A Apple registrou receita de US$ 64,7 bilhões apenas no último trimestre, mesmo durante uma crise econômica e uma pandemia terrível. A Apple provavelmente ficará bem no futuro próximo, mas isso não significa que Tim Cook não esteja arrependido.