Investigadores estaduais e federais dos EUA estão planejando atingir o Facebook com acusações antitruste já em novembro, disseram quatro pessoas familiarizadas com o assunto ao Washington Post. Esse processo marcaria a última reprimenda do governo aos maiores nomes da indústria de tecnologia, incluindo Apple, Google e Amazon, por deterem monopólios em seus respectivos mercados.

Na quinta-feira passada, a FTC (Comissão Federal de Comércio dos EUA) fez uma reunião privada para discutir a investigação e planeja apresentar acusações nas próximas semanas, disseram as fontes, que falaram sob condição de anonimato. No entanto, eles alertaram que, como o trabalho está em andamento, esse cronograma ainda não está definido e pode estar sujeito a alterações. Outra investigação conduzida pela procuradora-geral de Nova York, Letitia James, à qual 46 outros procuradores-gerais do estado se juntaram no ano passado, também examinou o Facebook sobre as acusações antitruste, particularmente a estratégia da empresa de comprar concorrentes em potencial apenas para destruir seus negócios.

Fontes dizem que as autoridades estaduais estão “nos estágios finais de separação de sua reclamação”, de acordo com o Post. Uma quinta pessoa familiarizada com o assunto disse ao jornal que os investigadores esperam ter “uma lista inicial de participantes” até sexta-feira.

As autoridades parecem estar usando as grandes armas neste mês, já que esse processo seria a segunda grande ação antitruste contra gigantes da tecnologia em outubro. Na terça-feira passada, o Departamento da Justiça e 11 estados entraram com uma queixa antitruste contra o Google, argumentando que ele prejudica outros mecanismos de busca ao incluir seu próprio aplicativo de busca permanente pré-carregado em todos os telefones Android, entre outras supostas táticas anticompetitivas.

Autoridades federais começaram a investigar o Facebook por supostas práticas anticompetitivas depois que a empresa resolveu uma investigação da FTC (Comissão Federal de Comércio) por US$ 5 bilhões sobre violações de privacidade de usuários no infame escândalo Cambridge Analytica. Essa multa, embora tenha sido um recorde na época, foi veementemente denunciada por críticos que disseram que ela ficou aquém da punição que o Facebook merecia por manipular incorretamente os dados pessoais de milhões de usuários. Posteriormente, a FTC lançou uma investigação sobre a compra de seus rivais pelo Facebook, Instagram e WhatsApp, e se essas aquisições violavam as leis antitruste.

Outros reguladores estaduais e federais logo seguiram o exemplo. Em um comunicado anunciando a investigação em outubro de 2019, a procuradora James, de Nova York, disse que as autoridades estaduais ficaram “preocupadas que o Facebook possa ter colocado os dados dos consumidores em risco, reduzido a qualidade das escolhas dos consumidores e aumentado o preço da publicidade”.

O Facebook negou veementemente essas acusações e apontou que os reguladores federais tiveram todas as chances de intervir e impedir a empresa de adquirir o Instagram e o WhatsApp. No entanto, uma investigação realizada por um subcomitê antitruste do Judiciário da Câmara, encerrada no início deste mês, descobriu que o Facebook e várias outras gigantes da tecnologia têm evitado repetidamente o escrutínio da FTC. A saber, o Facebook adquiriu quase 100 empresas menores ao longo dos anos, apenas uma das quais, a compra do Instagram em 2012, foi examinada de perto pelos reguladores.

Não relacionada a essas acusações antitruste, o Facebook também está enfrentando um maior escrutínio do governo dos EUA sobre suas práticas de moderação, na esteira de crescimento de fake news sobre pandemia e as eleições presidenciais de 2020 em sua plataforma. O Comitê Judiciário do Senado emitiu intimações na última semana para o CEO do Facebook, Mark Zuckerberg, juntamente com Jack Dorsey, CEO do Twitter, para testemunhar sobre as políticas de moderação das plataformas, bem como seu alegado preconceito anticonservador e censura.

[The Washington Post]