O Departamento de Justiça dos EUA afirmou em uma carta a um juiz federal nesta semana que levou quase dois meses para o FBI conseguir acessar um iPhone 11 de propriedade de Lev Parnas, um ex-associado do advogado de Donald Trump, Rudy Giuliani, que acabou sendo envolvido na confusão do impeachment que o presidente dos EUA enfrenta. As informações foram tornadas públicas pela Bloomberg nesta terça-feira (21).

O fato de o FBI ter conseguido desbloquear o dispositivo pode chamar a atenção, dado que o Departamento da Justiça e o próprio FBI disseram publicamente que precisam desesperadamente da ajuda da Apple para desbloquear dispositivos por meio de um backdoor em sua criptografia.

Lev Parnas. Crédito: Seth Venig/APLev Parnas. Crédito: Seth Venig/AP

Parnas alega que agiu como um negociador no esquema de Trump para coagir o governo ucraniano a lançar uma investigação contra o filho do candidato democrata à presidência dos EUA Joe Bidden. No caso, Trump é acusado de ter segurado uma ajuda à defesa do país de quase US$ 400 milhões, caso houvesse a averiguação. Se você não está acompanhando a situação dos EUA, é basicamente por isso que está rolando o processo de impeachment do presidente, que passou pela Câmara e agora está no Senado americano.

De acordo com uma carta do Comitê de Inteligência da Câmara, o iPhone e outros dispositivos foram apreendidos pelas autoridades federais após a prisão de Parnas em outubro. Eles ainda estão sob posse dos federais, mas Parnas concordou em cooperar, e sua equipe de defesa começou a pedir permissão para obter quaisquer dados que o FBI tivesse extraído dos dispositivos e compartilhar alguns deles com os investigadores da Câmara. O advogado de Parnas, Joseph A. Bondy, tuitou que o Departamento de Justiça havia extraído com sucesso dados do iPhone 11 em questão em 3 de dezembro de 2019, mas alegou que deliberadamente o órgão não entregou os documentos até a véspera do Ano Novo.

Em resposta ao juiz distrital dos EUA Paul Oetken, o Departamento de Justiça escreveu que “primeiro, Parnas se recusou a fornecer a senha para seus dispositivos, o que obviamente é seu direito, mas isso exigiu que o FBI passasse quase dois meses desbloqueando o iPhone 11”. Ele também alegou que houve outros atrasos, como o aconselhamento para que Parnas não fornecesse um disco rígido para transferir a informação por mais de suas semanas, exigindo suporte técnico do governo. A carta também diz que os esforços do FBI para desbloquear outros dispositivos pertencentes a Parnas estão em andamento.

Uma reportagem do Motherboard indica que a companhia que desbloqueou o aparelho foi a Cellebrite, uma empresa israelense especializada em equipamentos que podem ser usados para burlar a segurança dos iPhones e de outros aparelhos. Como observou o Apple Insider, o Comitê de Inteligência da Câmara divulgou alguns dos documentos em um formato usado pela Cellebrite. Outros arquivos do lote aludem aos aparentes esforços de Parnas para intermediar uma reunião entre Trump e o presidente ucraniano Volodymyr Zelensky.

O iPhone 11 foi anunciado em setembro de 2019, e naquela mesma época houve uma grande atualização de segurança do iOS. Como observou a Bloomberg, essa linha do tempo sugere que o FBI foi capaz de penetrar em um dos iPhones mais seguros da Apple, e nem está claro se realmente levou dois meses ou se os investigadores esperaram para divulgar a informação. Ao mesmo tempo, o Departamento de Justiça, o FBI e o próprio presidente Trump continuaram pressionando a empresa a construir um backdoor de vigilância — desta vez em relação a dois iPhones mais antigos de propriedade do atirador que realizou um ataque na Estação Naval de Pensacola na Flórida em dezembro de 2019.

Isso apesar do fato de que esses backdoors podem comprometer a segurança de todos, não apenas dos criminosos. O FBI também alegou anteriormente ser incapaz de decifrar a criptografia da Apple em telefones pertencentes a terroristas antes de recorrer a terceiros.

A Apple também disse que fornece assistência significativa às autoridades policiais, incluindo o fornecimento de “muitos gigabytes” de dados do iCloud aos investigadores federais do atirador de Pensacola. Na terça-feira, a Reuters informou que a empresa tinha planos de permitir que os usuários do iCloud criptografassem completamente os backups de seus dispositivos, mas voltou atrás após pressão do FBI.