Em junho, a Microsoft divulgou um teste em que o navegador Chrome consumia mais bateria que os concorrentes, incluindo o Edge. Agora, o Google resolveu responder… porém sem muita confiança.

14 configurações escondidas no Chrome em que vale a pena mexer
Veja como o mundo mudou do Internet Explorer para o Google Chrome

No vídeo abaixo, dois laptops Surface Book rodam o mesmo vídeo do Vimeo (por que não o YouTube?) no Chrome 46, lançado em outubro do ano passado, e no Chrome 53, versão mais recente.

O laptop com a versão antiga tem autonomia de 8h27min, enquanto o outro roda por 10h39min, ou 26% a mais. O Google quer mostrar que vem evoluindo nesse quesito.

De fato, a versão mais recente do Chrome promete consumir menos bateria no Windows, graças a uma maior eficiência no uso de CPU e GPU para reprodução de vídeo. O Google também promete “grandes” melhorias gerais em desempenho e consumo de energia.

No entanto, a comparação seria mais interessante se levasse em conta outros navegadores. No teste da Microsoft, o navegador Edge durou 70% mais tempo que o Chrome, 43% a mais que o Firefox, e 17% a mais que o Opera (com o recurso Economizar Bateria ativado). O teste foi realizado em laptops Surface Book com um vídeo do Netflix.

Bem, no mínimo, a provocação da Microsoft fez o Google mostrar que está trabalhando para reduzir o consumo de energia do Chrome. O navegador também carrega páginas mais rápido graças a um novo algoritmo de compressão, e vai realizar um bloqueio ainda mais intenso ao Flash.

O Google Chrome é indiscutivelmente o navegador web mais popular do mundo. Segundo a NetMarketShare, ele tinha participação de mercado de 54% nos desktops em agosto, contra 5% do Edge.

Imagem por geralt/pixabay