A coisa toda é gigante! Se trata de uma das maiores séries de fantasia de todos os tempos -e não apenas em popularidade.

Os 15 livros de A Roda do Tempo, escrito por Robert Jordan, abrangem mais de 11 mil páginas de aventura, tradição e construção de mundos que podem ser incrivelmente intimidantes quando se começa a ler. O leitor talvez fique desconfiado com a adaptação da série que será lançada pela Amazon.

Por isso, preparamos um guia para esclarecer tudo sobre o live-action de fantasia épica que chega nesta sexta-feira (19).

O que é A Roda do Tempo?

A Roda do Tempo
Imagem: Amazon via Entertainment Weekly

Em um mundo onde a magia é usada exclusivamente por mulheres, existe a lenda de um feiticeiro que renascerá para lutar e derrotar Shai’tan, também conhecido como o Escuro, um deus do mal e da desolação.

Esse feiticeiro é chamado de Dragão traz um problema: na primeira vez que ele parou Shai’tan, o Escuro envenenou o lado masculino do Poder Único, fazendo com que o Dragão enlouquecesse e destruísse o mundo.

O Dragão Renascido foi profetizado para, finalmente, aprisionar Shai’tan para sempre. Mas também para destruir o mundo uma segunda vez, porque ele será contaminado pela mesma magia corrompida. Esse é apenas o prólogo.

A Roda do Tempo realmente começa quando Moiraine -um membro da Aes Sedai, uma organização de mulheres que exerce poderosa feitiçaria e poder político em todo o mundo- acredita que o dragão finalmente renasceu perto da pequena cidade de Emond’s Field em Dois Rios. Uma vez lá, ela espanta os três adolescentes que ela acredita serem a reencarnação do Dragão depois que sua vila é atacada pelas forças do Escuro.

Isso desencadeia uma fantasia épica que engloba vários reinos, culturas, sociedades, inúmeros personagens, várias guerras, vários continentes e muita, muita coisa (e queremos dizer épico, já que até a publicação da série durou quase 30 anos).

Robert Jordan começou a escrever o primeiro volume, O Olho do Mundo, em 1984. Depois de publicado em 1990, ele o seguiu com A Grande Caçada, Dragão Renascido, Ascensão da Sombra, As Chamas do Paraíso, O Senhor do Caos, A Coroa de Espadas (esses foram lançados no Brasil pela Editora Intrínseca).

No exterior também tem The Path of Daggers, Winter’s Heart, Crossroads of Twilight, uma rápido prequel chamado New Spring (2004) e Knife of Dreams, antes do autor morrer em 2007.

Os três livros finais (The Gathering Storm, Towers of Midnight e A Memory of Light) foram concluídos pelo autor de fantasia best-seller Brandon Sanderson, de acordo com as notas de Jordan.

O que é uma roda do tempo?

A Roda do Tempo
Capa de O Olho do Mundo, na versão norte-americana, de Darrell K. Sweet. Imagem: Tor Books

É a parte central dos elaborados mitos da série. O Criador onipotente criou a Roda para aprisionar sua contraparte destrutiva, Shai’tan. A Roda gira por sete eras de duração e é reiniciada.

O Dragão original, cujo nome era Lews Therin Telamon, encerrou a Segunda Era derrotando Shai’tan e “quebrando o mundo”, como as pessoas o chamam. Os romances se passam perto do final da Terceira Era, que terminará quando Shai’tan for prisionado novamente ou assumir o controle total.

A Roda é girada pelo Poder Único. A energia mágica dividida nas metades masculina (Saidin) e feminina (Saidar) é representada pelo símbolo yin-yang (exceto sem os pontos alternados). Na Segunda Era, tanto homens quanto mulheres podiam canalizar suas respectivas partes do poder, mas quando o Escuro maculou o Saidin, todos os feiticeiros do sexo masculino enlouqueceram e começaram um conflito.

As mulheres das Aes Sedai foram forçadas a matar suas contrapartes masculinas, razão pela qual apenas as Aes Sedai existiam quando os livros começaram, e por que as Aes Sedai são tão preocupadas com a reencarnação do Dragão.

Os personagens principais

Existem mais de 2,7 mil personagens nomeados nos livros e tantos desempenham papéis importantes que se torna difícil acompanhá-los. Especialmente porque Robert Jordan continuou acumulando personagens importantes conforme a série continuou.

Mas aqui estão os personagens principais de O Olho do Mundo, o primeiro volume, que presumivelmente estarão na primeira temporada da série da Amazon.

Moiraine Damoded (Rosamund Pike) –  Uma poderosa Aes Sedai que passou anos procurando pelo Dragão Renascido.

Rand al’Thor (Josha Stradowski) – Um pastor que Moiraine concluiu ser uma das três reencarnações possíveis do Dragão. Ele é alto, teimoso e tem cabelos ruivos.

Nynaeve al’Meara (Zoë Robins) – A Sabedoria do Campo de Emond, o que a torna a curandeira da vila e líder do círculo feminino mais jovem já escolhida. Ela é muito obstinada e temperamental.

Perrin Aybara (Marcus Rutherford) – O ferreiro da aldeia, amigo de Rand e um dos dragões em potencial de Moiraine. Como convém à sua profissão, ele é forte, mas tem um comportamento muito calmo e atencioso. Ele também tem olhos dourados.

Mat Cauthon (Barney Harris interpreta na primeira temporada, mas Dónal Finn fará Cauthon na segunda temporada) – O terceiro candidato ao Dragão de Moiraine e amigo próximo de Rand e Perrin. Ele é um consumado criador de travessuras e jogador, considerado preguiçoso, imaturo e indigno de confiança pelo povo da aldeia, mas também é incrivelmente leal. Ele também teve uma sorte estranhamente boa.

Egwene al’Vere (Madeleine Madden) – A filha do prefeito de Emond’s Field e aprendiz de Nynaeve. Ela é muito próxima de Rand, Mat e Perrin. Ela também é uma aprendiz voraz que anseia por aventura e novas experiências.

al’Lan Mandoragan (Daniel Henney) – O guarda de Moiraine, um dos protetores tradicionalmente masculinos a quem Aes Sedai são ligadas e acompanhadas. Ele é estóico, impassível e totalmente dedicado a Moiraine, também é um espadachim extremamente talentoso.

A Roda do Tempo será o novo Game of Thrones?

A Roda do Tempo
Imagem: Tor Books

Não parece provável. Enquanto a Amazon gasta uma quantia absurda de dinheiro em cada episódio, com seu foco principal em magia, destino e monstros, A Roda do Tempo está muito mais perto da fantasia de O Senhor dos Anéis, de JRR Tolkien, do que a franquia de George RR Martin, pelo menos nos primeiros livros.

Mas ao longo da história, as coisas ficam tão complexas e extensas que é extremamente difícil acompanhar tudo o que acontece -mais do que GoT, acredite. Além disso, acabam tendo tantos personagens principais e histórias que a narrativa principal, a luta contra o vilão, avança em um ritmo glacial. Muitas coisas precisariam ser cortadas para tornar a série de TV mais fácil para o público acompanhar (e investir nela, para ser honesto).

Isso não quer dizer que o programa não possa fazer isso -na verdade, quase tem que fazer, a menos que a Amazon planeje 14 temporadas, o que parece improvável.

No mínimo, é difícil imaginar atores como Rosamund Pike contratando ativamente um projeto que exigiria tanto tempo e os forçaria basicamente a se mudar para Praga (até Robert Downey Jr. passou apenas 11 anos como Homem de Ferro).

O que precisava ser atualizado na franquia?

Bastante coisa, principalmente os personagens e caracterização, se quiser estar ao lado de outras produções modernas de TV.

A Roda do Tempo é uma história de alta fantasia com ideias rigidamente definidas sobre masculinidade e feminilidade. Enquanto as mulheres devem se submeter ao criador e permitir que ele flua através delas para usar seu poder, os homens que podem canalizar a magia, devem lutar e conquistá-lo, e são mais poderosos do que as mulheres como resultado.

Para crédito de Jordan, há igualdade binária de gênero na maior parte do mundo do universo, e o cenário inclina-se até mesmo para o matriarcal, dado o poder e a influência das Aes Sedai.

No entanto, muitas pessoas acham que falta algo nas personagens femininas que Jordan criou. Suas personalidades oscilam entre dominadoras, raivosas, infantis, ciumentas ou pretensiosas.

Independentemente de qualquer poder, influência ou independência inicial que tenham, elas são felizmente dominadas por seus interesses românticos masculinos. Jordan raramente descreve a cor da pele de seus personagens de uma forma que pareça irrelevante para ele, dados os muitos povos e culturas diferentes que povoam o livro.

No entanto, pela abundância de relacionamentos românticos nos livros, a falta de representação LGBTQ+ é inevitável. Poucos desses 2,7 mil personagens são homossexuais, e eles são compostos principalmente de uma certa porção de Aes Sedai que também são misandristas (preconceito contra homens ou meninos).

Não há personagens trans, mas há um homem mulherengo que o Lorde das Trevas reencarna em um corpo feminino como uma piada cruel. Basta dizer que a série de TV tem muito espaço para melhorias nessas áreas.

Devo hypar para a série da Amazon?

Deveria! E não apenas porque o programa já tratou desses problemas até certo ponto, especialmente com seu elenco amplamente diversificado.

Na sinopse oficial, Moiraine “embarca em uma perigosa jornada mundial com cinco rapazes e moças, um dos quais foi profetizado como o Dragão Renascido”, o que significa fortemente que Egwene e Nyneave também são considerados possíveis reencarnações.

Se for verdade, isso deve ter ramificações maciças sobre como o show tratará o gênero, especialmente em termos da magia que sustenta a estrutura da história.

Além disso, ainda há muito o que curtir em A Roda do Tempo, mas não dá para explicar sem mencionar fatos que acontecem nos livros. Portanto…

Os próximos trechos contém spoilers dos livros de A Roda do Tempo!

Apesar das falhas dos livros, há um conto de fantasia interessante, atraente e ainda extremamente épico dentro de The Wheel Of Time. Enquanto Jordan pega ideias de muitas outras séries de fantasia -Shai’tan é o Sauron de LOTR, as Aes Sedai são as Bene Gesserit de Duna.

Ele dá a todos os personagens reviravoltas exclusivas e acrescenta muitas de suas próprias ideias também: Ta’veren, pontos focais da Roda do Tempo com o poder inato de manipular o Padrão do destino; várias seitas das Aes Sedai com filosofias muito diferentes; falsos Dragões, que afirmam ser Lews Therin renascidos; os Renegados, os 13 discípulos mais poderosos de Shai’tan que escapam da prisão enfraquecedora do Escuro. Tel’aran’rhiod, o Mundo dos Sonhos. Irmãos lobos, que têm poderes especiais e são considerados pelos lobos como um dos seus. A Terra dos Loucos. Farejadores, que podem sentir o cheiro da violência. Balefire, magia poderosa que não apenas mata pessoas, mas pode apagar sua existência.

Isso para não falar dos muitos continentes, reinos e outras terras que povoam o mundo da Roda do Tempo, cada um com suas próprias culturas, políticas, objetivos e, às vezes, até poderes.

E em seu interior está a luta de Rand para manter a sanidade como o Dragão Renascido -que você certamente adivinhou depois de ler sua descrição de personagem muito branda- enquanto usa magia contaminada para lutar contra os muitos lacaios do Escuro, o que é um inferno de um gancho quando ninguém sabe se ele vai salvar o mundo, destruir o mundo ou ambos.

As limitações de uma série de TV podem ser exatamente o que The Wheel of Time precisa, porque forçará os criadores a condensar a história em uma narrativa mais concisa e focada. Os romances tem suas falhas, mas a série possui chance real de tornar a fantasia épica ótima e isso é definitivamente algo para animar.

Vai ter 2ª temporada?

Nem foi ao ar a primeira temporada, mas a Amazon Studios já renovou a série de fantasia. O showrunner e produtor executivo Rafe Judkins disse: “A crença da Amazon Studios e Sony Pictures Television mostraram em A Roda do Tempo tem sido incrível durante todo o processo do show. Conseguir um pedido de segunda temporada antes mesmo da estreia da primeira é um grande voto de confiança no trabalho e na propriedade em si, e não poderíamos estar mais felizes por viver e trabalhar no mundo criado por Robert Jordan. Esta propriedade é uma que adoro desde adolescente e vê-la ganhar vida com os recursos para torná-la digna do que está na página é algo que mal posso esperar que os fãs dos livros vejam”.