A GoPro anunciou hoje três novas câmeras de ação: a Hero4 Black, sobre a qual falamos aqui; a Hero4 Silver, que combina a melhor câmera de ação do ano passado a uma touchscreen LCD; e a Hero, que custa bem barato. Vamos dar uma olhada nelas.

Hero4 Silver

Para a maioria dos consumidores procurando por uma câmera de ação que produza vídeos high-end, a Hero4 Silver é provavelmente a melhor. Ela é basicamente a Hero 3+ Black Edition do ano passado, ainda a melhor câmera de ação desde o seu lançamento.



Ela grava vídeo em resolução 2.7K a 30fps, 1080p a 60fps, e 720p a 120fps. Ela também ganha conectividade Bluetooth (além de Wi-Fi), tem um sistema de áudio aprimorado, e uma interface de usuário muito melhor.

Na Hero4 Silver, você não precisa navegar por uma infinidade de opções irrelevantes para mudar a taxa de quadros, por exemplo. O que antes era o botão Wi-Fi na lateral agora traz um menu contextual para qualquer modo de disparo que você esteja usando. Basta apertar o botão lateral, e surgem as opções relevantes para o modo de vídeo.

O mesmo vale para ativar os novos modos Night Photo e Night Lapse, que dão um controle manual para decidir quanto tempo o obturador permanece aberto – até 30 segundos para cada exposição.

Ou seja, tudo o que falta em relação à Black Edition é vídeo 4K a 30fps, 1080p a 120fps, e algumas das outras combinações de resolução/taxa de quadros mais altas. O que você ganha, no entanto, vale a pena: uma touchscreen integrada e muito boa.

Divulgação

Surpreendentemente, a Hero4 Silver consegue manter exatamente o mesmo tamanho da Hero4 Black e da Hero 3+, mas na parte de trás há um touchscreen nítida e brilhante. Várias outras câmeras de ação oferecem telas (como a JVC Adixxion e a Drift Ghost-S), mas esta é particularmente bonita. Por estar na traseira, ela oferece uma maneira fácil e natural para enquadrar seus vídeos. Você também pode rever rapidamente as imagens para garantir que você realmente conseguiu o vídeo que queria.

Em meus testes, notei que a touchscreen é surpreendentemente ágil. Não há muito lag, e normalmente os toques são registrados com bastante precisão. Mesmo assim, a interface ainda tinha alguns bugs. Os menus dentro da interface de toque são um pouco confusos, e eu fiquei preso em certos momentos. Esperamos que isso seja apenas um problema antes do lançamento, e que seja corrigido em breve com uma atualização de firmware.

Você poderia supor que a tela iria consumir mais bateria, mas a GoPro afirma que ela tem autonomia igual à da Hero 3+ no mesmo modo (cerca de 2h10min gravando em 1080p a 30fps). Isto é parcialmente porque, por padrão, a tela se desliga depois de alguns segundos; você pode ativá-la novamente com um toque.

Basicamente, a tela é uma função matadora. E a câmera custa US$ 400, ou US$ 100 a menos que a Hero4 Black. Por isso, esta é provavelmente a câmera que recomendaríamos para a maioria das pessoas… a menos que você se importe com 1080p a 120 fps.

O preço é o mesmo da Hero 3+, mas o controle remoto Wi-Fi – que antes era item de série – agora é vendido separadamente por mais US$ 80. Pelo menos ela tem exatamente o mesmo tamanho da Hero 3 e 3+, portanto as capas e suportes antigos vão funcionar com a Silver.

GoPro Hero

Divulgação

Sim, este é o nome da nova câmera mais simples da GoPro. É um esquema meio confuso de nomes, mas tudo bem: ela custa apenas US$ 130, e é difícil reclamar sobre as funções que ela não traz.

Ela pode gravar em 1080p a 30fps ou 720p a 60fps, e tem suporte a SuperView – que grava em proporção 4:3 e depois espreme para 16:9, para exibir uma área maior no vídeo. Ela também é à prova d’água a até 40 m de profundidade. (A melhor câmera de ação da Sony chega a apenas 5 m). Mas, curiosamente, ela vem em um estojo não-removível.

Por causa disso, a entrada para cartão micro SD e a porta mini-USB foram movidos para a parte de trás. Você também pode inserir um componente na traseira para melhorar o áudio (só não pode molhar).

Nós não pudemos testar a GoPro Hero, mas o vídeo abaixo – com imagens gravadas pela câmera antes de seu anúncio oficial – mostram que a qualidade é decente, mas certamente muito abaixo dos outros modelos. No entanto, talvez isso não seja um empecilho para quem quer apenas uma câmera resistente, que possa sobreviver após façanhas mais radicais.

Se a Hero4 Black Edition busca ser mais exclusiva (ela custa US$ 500!), a GoPro Hero é o oposto: ela quer realizar a democratização das câmeras de ação. Ou talvez a GoPro só tinha muitos componentes da Hero 3 White Edition – idênticos aos desta câmera – e precisava se livrar deles.

Outras coisas faltando na Hero: não há porta HDMI, então você precisa usar o computador para exibir as fotos e vídeo; e não há Wi-Fi, então apps para controlar a câmera estão fora de questão. Ainda assim, por US$ 130, o custo de entrada é tão baixo que talvez nós vejamos mais pessoas fazendo coisas legais e radicais. Quem poderia se opor a isso?

As duas câmeras serão lançadas em 5 de outubro nos EUA, assim como a Hero4 Black.