O P30 Pro, último smartphone de topo de linha da Huawei antes de ela ser proibida a fazer negócios com o Google, ganhou uma nova edição com apps e serviços da empresa. Ele é basicamente o aparelho apresentado em 2019 com cores diferentes e um preço menor: 749 euros.

O P30 Pro New Edition foi lançado pela filial alemã da marca chinesa, como apontavam informações das últimas semanas. Ele vem com Android 10 pré-instalado e serviços e apps do Google — o material de divulgação da Huawei Alemanha destaca que o cliente poderá usar o sistema e os melhores apps e receberá as atualizações de segurança “como de costume”.

Imagem: Huawei

O design e as especificações são as mesmas do P30 Pro original do ano passado, mas só a versão de 256 GB está disponível desta vez. As cores mudaram: saem as da primeira versão do aparelho, entram três novas: preto, Silver Frost (prateado) e Aurora (azul e verde).

O preço sofreu um belo corte. A versão de 256 GB do P30 Pro chegou no ano passado por 1099 euros. Já a nova versão de 2020 chega a 749 euros. Na Alemanha, há ainda duas promoções: o fone de ouvido FreeBuds 3 de graça e um desconto no smartwatch Huawei Watch GT 2, que sai por 99 euros.

Não é a primeira vez que a Huawei relança seu P30 Pro. Em setembro do ano passado, como lembra o Verge, a empresa apresentou uma nova versão do aparelho na IFA, feira de eletrônicos que ocorre anualmente em Berlim, na Alemanha.

O P30 Pro foi o último aparelho de topo de linha lançado pela Huawei antes de ela ser incluída em uma Lista de Entidades do governo americano. A medida proíbe qualquer empresa dos EUA de fazer negócios com a companhia chinesa. Isso impede que a Huawei certifique seus aparelhos e licencie apps e serviços do Google. Por isso, Mate 30 e P40 vêm sem aplicativos do Google e com loja de apps e serviços móveis próprios da Huawei e sistema baseado no código aberto do Android.

Na China, isso não é um problema, já que o Google não está presente no país asiático. Em outros países, porém, a falta de serviços da gigante das buscas atrapalha as pretensões da Huawei. Segundo o Wall Street Journal, a empresa teve uma queda de 35% nas vendas de smartphones fora da China no primeiro trimestre do ano.

Para driblar isso, a empresa tem investido em relançar e reeditar aparelhos que já haviam sido certificados antes da proibição. O Huawei Nova 5T, por exemplo, chegou há algumas semanas no Brasil, mas tem apps e serviços do Google.

Segundo o Android Authority, o aparelho será vendido inicialmente na Alemanha a partir do dia 15 de maio e deve chegar a outros mercados em breve.