O satélite Longjiang-2, da China, capturou uma vista única da Lua, com o seu lado mais distante virado para a câmera e uma Terra minúscula à espreita, no fundo, no domingo (3).

O Longjiang-2, juntamente com a sonda de comunicações Queqiao, encontra-se em órbita lunar desde junho de 2018. O Longjiang-1, satélite irmão do Longjiang-2, não conseguiu sair da órbita da Terra após o seu lançamento no final de maio, mas esse foi o único ponto negativo de uma missão bem-sucedida para a Administração Espacial Nacional da China (CNSA) e seu esforço para estudar o lado oculto da Lua.

No início de Janeiro, a sonda lunar Chang’e-4, lançada em dezembro de 2018, pousou com sucesso no lado mais distante da Lua, posicionando seu pequeno robô, fazendo imagens panorâmicas impressionantes, medindo a temperatura do regolito de cinzas da Lua e até fazendo um pouco de jardinagem lunar pioneira. Mas nada disso seria possível sem Longjiang-2 e Queqiao, que servem como satélites de retransmissão essenciais, permitindo que os controladores da missão permaneçam em contato com a Chang’e-4 enquanto ela trabalha no lado oculto da Lua.

O Longjiang-2 é um microssatélite de apenas 50,8 centímetros de diâmetro e está equipado com uma câmera óptica construída na Arábia Saudita. O pequeno satélite tirou belas fotos da Lua depois de chegar à órbita lunar em junho de 2018, mas, no início de janeiro de 2019, quando a CNSA monitorava cuidadosamente o pouso da Chang’e-4, ele entrou em um período de silêncio para minimizar a interferência, segundo o CAMRAS, que administra o telescópio Dwingeloo Radio, no nordeste da Holanda. Esse radiotelescópio rotativo de 25 metros — o mais antigo do seu tipo a ainda estar em serviço — está ajudando a CNSA em suas radiocomunicações para a missão lunar.,

(“Esta foto da Terra e do lado distante da Lua, talvez a melhor já feita, foi tirada ontem pelo satélite lunar chinês DSLWP-B (Longjiang-2). O telescópio Dwingeloo baixou a foto do satélite nesta manhã.”)

A CNSA encerrou o período de silêncio do Longjiang-2 em janeiro, permitindo que o satélite voltasse a tirar fotografias. Em 3 de fevereiro, a agência fez o satélite capturar um timelapse da Lua com a Terra em segundo plano, que foi posteriormente transmitido para o telescópio Dwingeloo no dia seguinte, informou o CAMRAS. Essa é a primeira foto tirada pelo Longjiang-2 que mostra todo o lado distante da Lua e a Terra juntos no mesmo quadro.

O CAMRAS espera receber mais fotos lunares na próxima semana, então há mais por vir. É importante ressaltar que o Longjiang-2 fará mais do que apenas tirar fotos legais — ele também está programado para conduzir um trabalho de radioastronomia de baixa frequência e experimentos de rádio amadores, graças à sua separação da ionosfera do nosso planeta.

[CAMRAS via Verge]