Ainda faltam alguns meses até o lançamento oficial do Windows 11, previsto para sair este ano. Mas o sistema operacional já está cercado por idas e vindas da Microsoft. A mais recente delas, anunciada nesta sexta-feira (27), vai agradar principalmente donos de computadores mais antigos, pois a companhia revisou as exigências mínimas para rodar a nova plataforma.

Bom, “revisar” não é exatamente a palavra certa. Até porque, os requisitos mínimos continuam os mesmos. O que mudou é que a Microsoft agora não vai mais impedir a instalação do sistema em PCs que não tenham determinadas especificações técnicas. Só que o caminho para isso vai custar um trabalho extra: o software precisará ser instalado manualmente, do zero, via arquivo de imagem (ISO), e não por atualização direta como acontecerá com máquinas compatíveis.

Felizmente, isso tudo já pode ser verificado através do Windows Insider, em que o Windows 11 está disponível para teste. Logo, se você está inscrito no programa, pode utilizar a versão atualizada do app Verificação de Integridade do PC para saber se o seu dispositivo passa no teste de compatibilidade. Ainda assim, a Microsoft não garante que as coisas funcionem com deveriam, pois drivers mais antigos podem não rodar o sistema em sua totalidade.

No mais, os requisitos mínimos seguem os mesmos:

  • Processador: 1 GHz ou mais rápido, com 2 ou mais núcleos, em um chipset de arquitetura de 64 bits compatível ou SoC (system-on-chip);
  • Placa gráfica: compatível com DirectX 12 ou posterior, com driver WDDM 2.0;
  • Memória RAM: 4 GB ou superior;
  • Armazenamento interno: 64 GB ou superior;
  • Tela: HD (720p), com pelo menos 9 polegadas e 8 bits por canal de cor;
  • Firmware do sistema: UEFI e inicialização segura;
  • Chip TPM: Trusted Platform Module na versão 2.0.

Tem mais processador compatível vindo aí

Além da notícia de instalação do Windows 11 em PCs mais antigos, a Microsoft anunciou que está ampliando a lista de processadores compatíveis com a futura plataforma. Isso inclui os modelos das linhas Intel-Core X e Xeon W, além do Intel Core 7820HQ que equipa o Surface Studio 2, lançado em 2018. Lembrando que este último chip só rodará o novo sistema desde que o dispositivo tenha suporte para drivers DCH (Declarative Componentized Hardware, aplicativos compatíveis com hardware de componentes declarativo).

Com a notícia, agora sabemos que o Windows 11 não poderá ser executado em CPUs com chips AMD Ryzen baseados na arquitetura Zen 1. “Após analisarmos cuidadosamente a primeira geração de processadores AMD Zen, em parceria com a AMD, chegamos a uma conclusão conjunta que não haverá novas adições à lista de CPUs compatíveis”, escreveu a Microsoft.

[Microsoft, The Verge]