Nada que você encontra é realmente “primitivo”. Quase todos os átomos do nosso planeta foram processados ​​de alguma maneira, seja por seres humanos, pelo Sol, pelo núcleo da Terra ou por outras influências. Mas no Ano Novo de 2019, a missão New Horizons passou por um dos objetos mais primitivos do Sistema Solar: Arrokoth, um objeto muito além de Plutão que permaneceu praticamente intacto desde que se formou bilhões de anos atrás.

Na última quinta-feira (13), os cientistas lançaram três artigos (1, 2, 3), detalhando as propriedades de Arrokoth, sua geologia e como ele se formou. Eles não apenas lançam luz sobre a verdadeira natureza dos objetos gelados do cinturão de Kuiper no Sistema Solar distante, mas também fornecem fortes evidências de uma teoria sobre como os planetas se formam de maneira mais geral.

“Fizemos um grande avanço no entendimento do processo de funcionamento da formação planetária”, disse ao Gizmodo Alan Stern, investigador principal da missão New Horizons.

O astrônomo Marc Buie descobriu Arrokoth, anteriormente chamado MU69, usando o Telescópio Espacial Hubble em 2014. A rocha é um clássico Objeto do Cinturão de Kuiper – ou seja, um objeto no distante Cinturão de Kuiper, com uma órbita circular e relativamente modificada, fora da influência da gravidade de Netuno. A equipe da New Horizons focou no objeto como acompanhamento de sua missão em Plutão. Ao passar pelo objeto, a sonda espacial examinou-o com um conjunto de dispositivos de imagem, detectores de plasma e poeira e receptor de rádio.

A imagem original de Arrokoth do Hubble mostrou apenas uma mancha. Depois de muita especulação sobre como o objeto seria de perto, o sobrevôo revelou um haltere achatado de 36 quilômetros de extensão, sem satélites, anéis ou poeira nas proximidades, com manchas e buracos de brilho variável. Ontem, os pesquisadores contribuíram com esses resultados iniciais mergulhando profundamente na natureza do objeto, usando outros dados enviados de volta à Terra pela New Horizons.

A superfície vermelha uniforme de Arrokoth mostra metanol em gelo e materiais orgânicos, mas não foi detectada água, de acordo com um dos três trabalhos publicados na Science. Crateras e depressões com material de cor mais leve marcam sua superfície relativamente lisa (que tem algumas fissuras e colinas) e parecem remontar à era mais antiga do Sistema Solar, pelo menos 4 bilhões de anos atrás. Ao contrário de outros cometas e asteroides que mostram erosão pelo calor do Sol e impactos de alta energia, a superfície de Arrokoth parece ser o resultado de interações de baixa energia entre objetos em movimento lento.

Os dados permitiram que os físicos escrevessem uma história mais completa sobre como Arrokoth se formou. Uma nuvem de muitas partículas pequenas e sólidas teriam entrado em colapso e se transformado em um par de rochas que co-orbitam, com base no alinhamento dos lobos. Essas rochas teriam perdido lentamente impulso, talvez por atrito com outras partículas na nuvem de gás, e se fundido na forma final de dois lóbulos. Não há evidências de que os lóbulos tenham se comprimido a partir de um impacto de alta velocidade quando se uniram.

Encontrar um objeto mostrando evidências tão claras de sua formação podem ter consequências profundas para nossa compreensão da formação planetária em geral. De acordo com um dos documentos, isso “revela os processos de acréscimo que operavam no início do Sistema Solar”. Em outras palavras, esse processo também poderia ser como os planetas se formaram.

Stern disse ao Gizmodo que se o conhecimento adquirido com Arrokoth se aplicasse a outros objetos no Sistema Solar, seria suficiente descartar outras teorias da formação planetária, como a acumulação hierárquica pela qual os planetas se formam a partir da colisão de peças aleatórias cada vez maiores (versus o que as evidências mostram no caso de Arrokoth: uma nuvem em colapso).

Este é um conjunto empolgante de pesquisas que está dando aos cientistas uma visão profunda do Sistema Solar primordial, disse Kat Volk, cientista associada do Laboratório Lunar e Planetário da Universidade do Arizona, que não estava envolvido com esses trabalhos. Ela disse ao Gizmodo que também está animada com a forma como os astrônomos foram capazes de construir um modelo preliminar de que tipos de objetos estavam produzindo as crateras em Arrokoth.

Mas Arrokoth é apenas um objeto e a questão principal é saber se ele seria a regra ou a exceção à regra. Basicamente, ainda não sabemos o quão típico é um objeto de Arrokoth.

A única maneira de responder a essa pergunta é visitar outro Objeto do Cinturão de Kuiper, e a equipe da New Horizons está atualmente procurando o próximo alvo de sua nave espacial.