A cidade de Nova York lançou no começo do ano a LinkNYC, iniciativa que tem como objetivo conectar toda a população da cidade à internet por meio de pontos de acesso Wi-Fi que substituiriam os orelhões. Além da conexão, as estações possuem tablets onde cidadãos e turistas podem fazer consultas aos mapas ou buscar informações.

• A nova rede Wi-Fi pública de Nova York é indecentemente rápida
• Tecnologia do MIT promete resolver o problema das redes Wi-Fi congestionadas

O acesso sempre foi livre, sem restrições de conteúdo ou tempo. Porém, a prefeitura recebeu reclamações de que muitos moradores de rua estavam se reunindo nos quiosques.

O New York Times relata:

Os quiosques atraíram grandes grupos que ficam por horas, às vezes bebendo e se drogando e, de vez em quando, corajosamente assistindo pornografia nas calçadas. Agora, cedendo às reclamações, a operadora do quiosque, LinkNYC, irá desativar os navegadores.

Esperava-se que os usuários fizessem pequenas paradas nas estações. Mas elas rapidamente atraíram moradores de rua e outras pessoas ociosas que aproveitavam o acesso ilimitado à internet para assistir filmes ou escutar música por horas.

As estações continuarão oferecendo conexão normalmente,  porém com acesso apenas ao serviço de emergência e ao Google Maps.

“Nós soubemos de diversas reclamações por todas as partes da cidade a respeito do uso indevido dos quiosques para fins obscenos e nefastos”, disse Ruben Diaz Jr., presidente da subprefeitura do Bronx. “E o anúncio de que os serviços de navegação serão desabilitados nas estações LinkNYC é um passo na direção certa.”

[The New York Times]