Lembra quando a Samsung apressou uma substituição do Note 7 e o novo celular também explodia? Um dia depois que jornalistas e influenciadores dos EUA receberam suas unidades de testes do Samsung Galaxy Fold, a internet foi inundada com vídeos de smartphones dobráveis quebrados. Telas que piscavam, rachavam e inchavam — um verdadeiro pesadelo de relações públicas para a Samsung. Não tivemos problemas com a unidade de testes que veio para o Gizmodo, mas como muitas pessoas passaram por isso depois de alguns dias, a Samsung decidiu adiar o lançamento para resolver os problemas.

Essa foi a atitude correta. Lembra as consequências da bateria explosiva do Note 7? A pré-venda do Galaxy Fold já está esgotada, e mais repercussão negativa, desta vez nas unidades entregues para o consumidor final, poderia ter sido fatal para o futuro dos smartphones dobráveis. Mas apenas três semanas depois, a agência de notícias Yonhap News, da Coreia do Sul, diz que a Samsung já resolveu os problemas.

Espera aí. Como assim?

Muitos problemas do Galaxy Fold aconteceram porque quem estava testando o produto achou que a camada protetiva da tela era um daqueles plásticos que você tira quando compra um celular novo. A Yonhap diz que a Samsung decidiu eliminar qualquer margem para confusão, estendendo essa camada protetora de filme até embaixo das bordas do painel para que você não fique tentado a puxá-la.

Outros problemas relacionados à tela foram supostamente causados ​​por poeira e detritos que ficaram presos em pequenas aberturas causadas da dobradiça do Fold. Para resolver isso, a Samsung vai minimizar a área da articulação.

A reportagem também diz que a empresa está atualmente testando os protótipos “consertados” do Galaxy Fold nas três operadoras da Coreia do Sul. Dependendo dos resultados, a empresa deve anunciar um cronograma de lançamento em algumas semanas e disponibilizar os telefones em junho.

É um cronograma bem agressivo para um aparelho que passou por problemas sérios. O Gizmodo entrou em contato com a Samsung para tentar confirmar algum desses detalhes, mas a Samsung se recusou a comentar.

Na quinta-feira passada (7), DJ Koh, que comanda a divisão móvel da Samsung, disse ao The Korea Herald que a empresa chegaria “a uma conclusão em poucos dias [sobre o lançamento]”. Quando perguntado se o Fold poderia ser lançado em maio, Koh respondeu de forma relutante: “Não chegaremos tarde demais”.

No entanto, isso parece contradizer diretamente outras matérias da semana passada, que diziam que a Samsung, em cartas enviadas aos clientes, parecia não ter ideia de quando as encomendas seriam enviadas.

Seria legal se a Samsung realmente conseguir consertar as falhas em tão pouco tempo. Mas também é um pouco suspeito. Se as correções eram tão simples, por que a Samsung não aproveitou o mês extra de testes, pesquisa e desenvolvimento? Provavelmente porque, como minha colega Alex Cranz observou, estava mais preocupada em ter o primeiro telefone dobrável do mercado.

Os regulamentos da FTC (comissão americana que regula atividades comerciais) atualmente exigem que as empresas enviem dispositivos comprados na pré-venda dentro de um prazo especificado ou permitam que os clientes cancelem pedidos. Como informamos na semana passada, esse novo prazo seria 31 de maio, o que também poderia explicar a pressa para entregar os produtos. A ideia da Samsung parece ser que, se eles começarem a entregar logo os aparelhos, talvez pessoas que tenham cancelado o pedido voltem a comprar.

Tomara que desta vez a Samsung não esteja repetindo a história.

[Yonhap News via CNET]