A LG confirmou os detalhes do seu mais novo flagship com Android, o G3, que sucede o promissor – mas decepcionante – G2 do ano passado. O modelo deste ano aposta em tela maior e mais potência, mas ele tem o cérebro ideal para isso?

O LG G3 tem uma tela de 5,5 polegadas Quad HD (2560×1440) – é um aumento significativo de tela em relação ao display de 5,2 polegadas do G2. Também é uma tela significativamente maior do que concorrentes com Android, como o Samsung Galaxy S5 (5,1 polegadas), o HTC One (5 polegadas), e o Nexus 5 (4,95 polegadas). A tela do G3 tem resolução superior aos rivais Full-HD, e é muito mais densa em pixels, com 538 pixels por polegada, o que deve torná-la bastante nítida e fácil para ler. Uma bateria de 3000 mAh deve fazer um trabalho decente ao manter os pixels iluminados durante grande parte do dia.

O hardware potente do G2 era um dos seus principais trunfos, e o novo design de “arco flutuante” do G3 é uma adição interessante ao design de um botão traseiro do G2. O corpo do smartphone tem um arco sutil que faz com que seu corpo mais largo fique mais fácil de ser segurado, mesmo que ele seja bem grande.

O G3 usa um processador Snapdragon 801 quad-core de 2.5GHz e tem 2GB de RAM o que o torna bem potente, mas, para se destacar em relação ao também potente modelo do ano passado (que rodava um Snapdragon 800), ele precisa de software que ajude a transformar esse poder em algo positivo para o usuário.

O G2 tinha um problema grave com uma skin de Android meio exagerada. Desta vez, a LG promete uma experiência de usuário simplificada com um flat design e uma interface mais direta. A empresa incorporou três adições de software ao teclado, notificações e segurança, e diz que todas são “smart”. O teclado foi projetado para ser mais simples e fazer com que o usuário mova menos os olhos e os dedos enquanto digita algo. O software de “Smart Notice” é basicamente um assistente como o Google Now, mas menos sofisticado, ainda que com recursos interessantes, como uma forma de limpeza que ajuda a se livrar de apps que você não usa há algum tempo. A segurança vem na forma de um recurso de limpeza remota, algo meio básico. Todos esses recursos, na verdade, parecem mais nomes elegantes para ferramentas óbvias que já vemos há algum tempo, mas precisamos usá-las para ver se a LG preparou algo a mais para elas.

Como o modelo do ano passado, o G3 tem uma câmera de 13 megapixels com um novo sistema de “foco laser” que, assim como a nova câmera Duo da HTC, usa um segundo sistema óptico para melhorar o desempenho de foco da câmera (não é uma tecnologia exatamente nova, mas é algo inédito em smartphones). Como diversos modelos do ano passado, o G3 tem um dual flash que exibe cores LED diferentes para cores mais realistas nas imagens.

No geral, a LG ouviu algumas críticas feitas ao G2 e outros dos seus smartphones e tentou consertá-las ao criar um smartphone atraente para usuários. Isso, claro, na teoria – precisamos brincar com ele um pouco para saber se na prática ele funciona bem também.