Faz pouco mais de uma semana que Apple e Epic Games deram início a uma disputa judicial envolvendo o jogo Fortnite. O caso está só no começo – a primeira audiência preliminar entre as duas empresas ocorreu na última segunda-feira (24). E os efeitos desse embate na vida dos jogadores também estão apenas começando, pois para quem tinha esperanças que o game pudesse voltar à App Store, a própria Epic jogou um balde de água fria ao confirmar que a próxima temporada do título, com previsão para 27 de agosto, não será lançada para iOS ou macOS. O crossplay entre dispositivos de outras plataformas também foi removido.

A desenvolvedora divulgou um comunicado que vai parecer discurso repetido caso você tenha acompanhado notícias da audiência do início da semana. “A Apple solicita que a Epic reverta Fortnite para usar exclusivamente os meios de pagamento fornecidos pela Apple. A proposta é um convite para a Epic entrar em conflito com a Apple, mantendo seu monopólio sobre pagamentos no aplicativo do jogo para iOS, suprimindo a concorrência de livre mercado e inflando os preços. Por uma questão de princípios, não participaremos desse esquema”, disse a Epic.

Diferente do Android, a Apple não permite que aplicativos sejam instalados por alternativas de terceiros – tudo precisa ser aprovado e estar dentro da App Store.

Isso garante que a companhia analise cada ferramenta em busca de códigos maliciosos ou qualquer outra coisa que de alguma forma possa prejudicar as pessoas que acessam a loja. Pode parecer um processo de aprovação bastante extremo, mas também ajuda a proteger os dados dos usuários de desenvolvedores mal intencionados. Infelizmente, embora seja uma prática que visa oferecer mais segurança, a Apple acaba forçando os consumidores e desenvolvedores a usar somente a App Store. E é aí que mora o problema.

No restante do comunicado, a Epic Games diz acreditar que os donos de dispositivos móveis têm “o direito” de instalar os aplicativos a partir das fontes que eles próprios escolherem, e que os desenvolvedores devem ter o direito de “competir em um mercado justo”. Para profissionais que trabalham com apps para iOS, sejam eles pagos ou que possuam transações embutidas, as políticas da App Store se tornam um verdadeiro pesadelo.

Personagens do FortniteImagem: Divulgação/Epic Games

Como a Epic apontou durante a audiência do último dia 24, uma vez que os desenvolvedores são forçados a colocar seus aplicativos na App Store se quiserem que os usuários de iOS tenham acesso a eles, a Apple também obriga esses desenvolvedores a pagar uma comissão de 30% – a regra é válida apenas para serviços que sejam pagos ou que tenham compras dentro do app.

Essa taxa funciona como parte das políticas da App Store, da mesma maneira que esse conjunto de regras inclui a obrigatoriedade de todos os pagamentos serem processados pelo sistema próprio da Apple. Só depois de passar por um rigoroso processo de aprovação é que a empresa entrega aos desenvolvedores os 70% restantes das transações.

A única exceção a essa regra é se um aplicativo oferecer produtos ou serviços que serão consumidos fora do próprio app – aí sim os desenvolvedores devem incluir um método de pagamento direto. Essa política costuma ser aplicada a jogos com crossplay (que podem ser jogados em diferentes plataformas) ou games com salvamento em nuvem. A questão é que essa lógica pode ser problemática, uma vez que os usuários podem comprar um item dentro do aplicativo, mas depois usar o mesmo item em outro aparelho.

Exemplo: os assinantes do Stadia, serviço de jogos na nuvem do Google, podem comprar títulos pelo aplicativo do Stadia para iOS, mas têm a possibilidade de jogá-los não apenas num iPhone ou iPad, mas também em plataformas concorrentes. Em Fortnite, seria algo parecido: os usuários podem comprar V-bucks (a moeda in-game do jogo) pela conta da Epic no app para iOS, mas depois usar o dinheiro virtual em um console ou PC, já que uma única conta de Fortnite pode ser vinculada em múltiplos dispositivos.

“A Epic é uma das muitas desenvolvedoras de jogos que há muito tempo trabalham para criar práticas melhores e mais justas para todas as plataformas, incluindo elementos como jogabilidade multiplataforma, comunicação, contas e itens no Fortnite em sete plataformas (apesar de agora serem seis)”, descreveu a Epic.

É por tudo isso que a quarta temporada do Capítulo 2 de Fortnite não será lançada para iOS e macOS nesta quinta-feira (27). Além disso, todas as futuras atualizações do título seguem em stand-by – pelo menos até que a situação seja resolvida (isso “se” for resolvida mesmo). Fortnite segue removido da App Store, então se você quiser continuar jogando, terá de esperar ou migrar para outra plataforma. Usuários de Android não foram afetados.