Uma das ausências nos iPhones deste ano, e que era muito esperada por causa dos rumores nos últimos meses, é a taxa de atualização acima dos tradicionais 60 Hz. Isso deve mudar finalmente com os aparelhos planejados para 2021 — possivelmente a linha iPhone 13 –, que devem contar com uma opção para trocar essa taxa para até 120 Hz.

De acordo com um relatório da agência de notícias coreana Elec, a Apple espera enviar no próximo ano entre 160 e 180 milhões de iPhones (contra cerca de 100 milhões em 2020). Todos os modelos do iPhone 13 devem manter a tela OLED — o iPhone 12 marcou o fim definitivo das telas de LCD na linha.

Contudo, o mais importante destacado pela Elec é que pelo menos dois dos quatro novos modelos, provavelmente as variantes Pro, terão displays com a tecnologa LTPO, permitindo que os dispositivos tenham compatibilidade com taxas de atualização de até 120 Hz. Telas com alta taxa de atualização podem melhorar significativamente a suavidade e fluidez dos conteúdos, incluindo jogos, navegação na web e muito mais.

Atualmente, a Apple possui três fornecedores principais para as telas de iPhone: Samsung, LG e a fabricante chinesa BOE. Para 2021, a Samsung deve fornecer remessas de cerca de 130 a 140 milhões de painéis, enquanto a LG deve entregar entre 30 e 40 milhões, e a BOE, o restante, entre 10 e 20 milhões de telas. Segundo a Elec, a BOE corre o risco de ficar de fora dessa cadeira de fornecimento por não atender a testes regulares de garantia de qualidade da Apple.

Embora os testes do iPhone 12 tenham sido bastante positivos, incluindo os reviews do iPhone 12, iPhone 12 Pro, iPhone 12 Pro Max e iPhone 12 Mini no Gizmodo US, a falta de suporte a taxas de atualização maiores foi uma ausência curiosa. Os primeiros rumores do iPhone 12 davam como certo que a companhia incluiria esse recurso, em especial porque ele supostamente vem sendo testado há um bom tempo.

Para efeito de comparação, este ano a Samsung lançou a linha Galaxy S20 inteira com suporte para taxa de 120 Hz. E foi além: refinou ainda mais a tecnologia com painéis de 120 Hz com taxa variável no Galaxy Note 20 Ultra. Isso não apenas proporcionou uma atualização de 120 Hz, mas também ofereceu a capacidade de ajustar de maneira dinâmica a taxa de atualização da tela, dependendo do conteúdo que você está visualizando. Com isso, o aparelho tem uma eficiência energética muito mais aprimorada.

A Samsung não é a única nesse mercado. O OnePlus 8 Pro também ganhou uma tela de 120 Hz (o painel também é fornecido pela Samsung). A Asus, por sua vez, colocou no ROG Phone 3 uma taxa ainda maior: 144 Hz. E mesmo que o Google não tenha apresentado um dispositivo mais premium este ano, o Pixel 5 manteve os 90 Hz da geração anterior. Logo, é natural que mais e mais fabricantes adotem esse tipo de tecnologia. A Apple deve ser a próxima da lista.