Você pode ter uma série de críticas à Samsung, mas uma coisa é certa: quando ela anuncia o aparelho em evento mundial, no mês seguinte já temos detalhes sobre seu lançamento no Brasil. E isso não foi diferente com o Galaxy Note 20 Ultra. Apresentado em agosto, ele começou a ser vendido por aqui no fim de setembro com preço sugerido de R$ 8 mil e já é encontrado na casa dos R$ 7 mil.

O segundo smartphone de topo de linha da marca lançado em 2020 recebeu adições incrementais, como câmeras melhores, tela com taxa de atualização maior, um hardware mais potente e uma nova cor — bronze mystic, que inclusive foi a utilizada na unidade emprestada pela Samsung para o teste.

De primeira, dá para dizer que é um smartphone potente, voltado para quem gosta de fartura de especificações e está disposto a pagar uma pequena fortuna. Como o modelo que testei ano passado, sempre penso que este é um modelo para uso profissional ou se você curte jogar — ou fazer os dois ao mesmo tempo. Abaixo, os detalhes do meu teste. Porém, neste link, você pode ler a análise traduzida feita pelo pessoal do Gizmodo US.

Visual

O Galaxy Note 20 Ultra é grande, mas não muito. Sua tela de 6,9 polegadas parece gigante no papel, mas a Samsung fez um bom trabalho em praticamente eliminar as bordas dele. Soma-se a isso o fato de ele não ser tão largo. Então, não dá tanto a ideia de que você está carregando um tijolão por aí.

Galaxy Note 20 Ultra
Galaxy Note 20 Ultra na traseira
O que é?
Smartphone topo de linha da Samsung com caneta S Pen
Preço
R$ 8.000 (sugerido); no varejo, você acha por R$ 6.999
Gostei
Design com molduras mínimas, tela de 120 Hz, desempenho
Não gostei
Bateria poderia ser maior

A construção dele chama a atenção primeiramente pela cor. Se no ano passado havia aquele efeito de irisdescência no Note 10+ (que ficava parecendo que havia um arco-íris na traseira quando havia reflexo de luz), neste ano o telefone tem uma cor sólida, porém bem curiosa. Em alguns momentos, o bronze parecia o tom “rose gold” do iPhone 6s, só que em tom mais forte. Achei bem bonito, e dá uma amostra de personalidade da marca e dos eventuais compradores da opção.

Galaxy Note 20 Ultra com canetinha à mostra

Outro fato, por outro lado, foi alvo de crítica — pelo menos entre alguns comentaristas na estreia do telefone no País. A Samsung usou um material na traseira do aparelho que lembra um plástico reforçado. Apesar de trazer mais leveza, talvez essa característica faça com que ele transmita a sensação de não ser tão premium. Pessoalmente, não me incomodou, ainda mais por não deixar marcas de dedo, porém vale ressaltar que há quem se importe com isso.

Detalhe das câmeras traseiras do Galaxy Note 20 Ultra

A tela SuperAMOLED é muito brilhante e chega a 1.500 nits (o que significa que manuseá-la embaixo de um baita Sol não comprometerá e experiência), mas o que mais me impressionou é a taxa de atualização de 120 Hz. Confesso que não via muita graça nesse recurso quando ouvia falar, porém ao ver, por exemplo, um jogo rodando num display com tal tecnologia, a mudança é drástica.

Desempenho

Infelizmente, neste tempo de quarentena fiquei viciado no jogo Asphalt 9. Joguei o game de corrida por um bom tempo no Nova 5T, da Huawei, que é um ótimo celular. Porém, o mesmo jogo no Note 20 Ultra oferece uma experiência muito diferente: os efeitos e animações parecem mais vívidos. Me lembrou um pouco a primeira vez que vi o iPhone 4 com tela Retina: assim como o telefone da Apple naquela época, a diferença com o que temos no mercado é bem grande.

Importante ressaltar, porém, que notei isso apenas no jogo. Se não fosse isso, confesso que talvez não ligaria tanto para a funcionalidade. De qualquer jeito, o recurso é um prato cheio para quem curte games no smartphone.

A Samsung continua com sua competente interface de personalização sobre o Android 10, a One UI. Com ela, você tem ícones grandes e um visual limpo.

Algo que a empresa traz há um tempo mas nunca utilizei é o recurso da Pasta Segura. Ainda que você possa utilizá-la para colocar arquivos sensíveis, também dá para colocar seu app de banco por lá, o que eu achei bem interessante. Melhor não deixar seus aplicativos importantes dando sopa, né?

Não custa lembrar que falamos aqui de um smartphone com 12 GB de RAM e com processador Exynos 990 (apenas a versão dos EUA vem com chip Snapdragon 865+), então não houve nenhum problema de desempenho, seja ao usar o modo multitasking, usar o Samsung DeX (mais sobre este recurso mais adiante) ou jogar games mais pesados como o Asphalt 9 ou FreeFire.

Recurso de tela dividida do Galaxy Note 20 Ultra rodando navegador e YouTube

No que diz respeito à autonomia de bateria, o Note 20 Ultra tem 4.500 mAh. Na prática, ele aguentou comigo um dia todo de uso moderado com uma pequena sobra para o dia seguinte. Agora, quando eu inventava de jogar e checar bastante as redes sociais (Twitter, Facebook, Instagram e Discord), a bateria chegava a uns 10% no fim do dia.

A grande culpada por isso é a tela de 120 Hz: apesar de melhorar consideravelmente as transições de apps e efeitos, ela gasta bastante bateria.

A boa notícia é que dá para alterar a taxa de atualização de 120 Hz para 60 Hz, que é o comum na maioria dos smartphones. Para isso é só buscar a função Suavidade de Movimento em Configurações e escolher a taxa de atualização Padrão.

Ainda acho curioso que o Galaxy S20 Ultra, lançado no início do ano, tem 5.000 mAh. Se a sua não for muito games e você não está muito empolgado com a tela de 120 Hz, talvez seja uma boa considerar o telefone lançado no primeiro semestre. Óbvio: ele não tem a canetinha, mas tem mais bateria pelo menos.

Sobre o carregador, ele tem potência de 25W. Então, ela ia de 15% a 100% em 1h06m, o que é bem em linha com outros modelos topo de linha e com bastante bateria.

S Pen e Samsung Dex

Interface da S Pen do Galaxy Note 20 Ultra

A S Pen está mais esperta no Note 20 Ultra. Apesar de não ser grande entusiasta da caneta, o nível de precisão dela é bastante bom. Então, você consegue tomar notas com uma experiência que está cada vez mais próxima de um lápis ou uma caneta esferográfica. Algo curioso é que, às vezes, para passar esta noção, um app de pintura do smartphone conseguia emular o barulho de um lápis no papel. É um detalhe bobo e pequeno, mas que chamou muito minha atenção.

Agora o app Samsung Notes, que abriga as notas feitas via S Pen, conta com um sistema de sincronização que permite, inclusive, fazer upload no OneNote, da Microsoft. Assim, além de ter suas anotações salvas, é possível visualizá-las em um computador.

Aliás, essa conexão facilita o envio dessas anotações para slides de apresentação do PowerPoint. Não custa lembrar que isso funciona redondo no Windows 10 graças ao app Samsung Notes para o sistema, que facilita isso.

Conectar ao Dex está mais fácil. Se você não sabe do que se trata, é basicamente um ambiente do smartphone que lembra um desktop e pode ser acessado em seu computador, como expliquei no review do Galaxy Note 10+ no ano passado. Agora ele também funciona facilmente na televisão.

Interface do Samsung Dex em uma TVInterface do Samsung Dex em uma TV

Para isso, basta escolher a opção Dex arrastado o dedo de cima para baixo e conectar-se à TV — lembrando que ele usa a conexão Wi-Fi e é importante que o telefone e a televisão estejam na mesma rede.

A vantagem disso é poder facilmente transmitir apresentações do seu telefone ou mostrar imagens presentes em sua galeria, por exemplo. Pode ser também uma opção caso você queira transmitir uma videoconferência ou deixar rodando um vídeo na TV enquanto checa redes sociais no telefone.

Ótimo conjunto de câmeras

O conjunto de câmeras do Galaxy Note 20 Ultra é bem sólido. Na frente, há um sensor de 10 MP para selfie com abertura f/2.2. Já na traseira são três sensores:

  • 12 MP ultra-grande angular (f/2.2) com abertura de 120 graus;
  • 108 MP grande angular (f/1.8) com OIS;
  • 12 MP teleobjetiva com zoom óptico de 5x (f/3.0).

Além disso, há um laser para ajudar no foco automático.

As imagens captadas pelo aparelho são excelentes. Com boa iluminação, ficam ótimas e, às vezes, têm um certo exagero na nitidez e cores de itens. Os objetos da cena ficam muito bonitos, mas não são tão correspondentes à realidade. Porém, até aí, boa parte do que a gente vê nas redes sociais também não é real e continuamos nelas, né? Brincadeiras à parte, existe um certo exagero em cores, mas as imagens resultantes são impressionantes.

Interface de zoom do Galaxy Note 20 Ultra

Pela primeira vez, a empresa incluiu um zoom óptico de 5x junto com um zoom híbrido de 50x à la Huawei P30 Pro. A interface de software da Samsung para o recurso de aproximação é bem intuitiva, pois mostra os diferentes níveis de zoom — aí é só tocar sobre eles.

Na prática, minha recomendação para a maioria das pessoas é usar até 5x, pois, acima disso, só com um tripé. O fato é que tudo fica mais sensível e qualquer movimento pode ferrar o foco, ainda mais tentando captar algo que está super longe.

Se você curte tirar fotos à noite, o Note 20 Ultra faz um ótimo trabalho. Você vai ter imagens bem nítidas e um bom controle de luz. O grande ponto negativo é a forma como o software lida com o céu. Em alguns momentos, ele fica em um tom azulado, mesmo sendo muito tarde, lá pelas 23h, e em outros fica em um tom roxo. Isso, porém, só importa se você gostar muito de usar o céu para compor uma cena.

Trocando em miúdos

O Galaxy Note 20 Ultra tem um dos designs mais bacanas do mercado e com opções de cores bem interessantes — além do mystic bronze, usado no teste, há um tom de verde, exclusivo do Galaxy Note 20, que também é lindo. Além disso, a Samsung fez um ótimo trabalho na redução de bordas, tornando-o um dispositivo com telão e compacto ao mesmo tempo.

Se você curte a canetinha e todas suas facilidades para captar notas, este é o smartphone mais avançado com o acessório. Agora, se você se preocupa com o autonomia do aparelho, talvez valha recorrer a um Galaxy S20 Ultra pela maior capacidade. Ou simplesmente mudar a taxa de atualização para 60 Hz no Note 20 Ultra — os efeitos são sensacionais, mas se você não for jogar, talvez este seja um recurso que é melhor deixar de lado.

Galaxy Note 20 Ultra — ficha técnica

  • Tela: 6,9’’ QuadHD+ com taxa de atualização de 120 Hz e certificação HDR10+
  • Sistema Android 10 com interface OneUI
  • Câmeras: 10 MP para selfie; na traseira: 108 MP (sensor principal), 12 MP (ultra-grande angular), 12 MP (teleobjetiva com zoom de 5x)
  • Memórias: 12 GB de RAM/256 GB de armazenamento
  • Chip: Exynos 990 octa-core de até 2,73 GHz
  • Sensores: acelerômetro, barômetro, leitor ultrassônico de impressão digital, sensor de giroscópio, sensor geomagnético, sensor hall, sensor de frequência cardíaca, sensor de proximidade, sensor de luz RGB.
  • Rede: 5G, Wi-Fi 6, Bluetooth 5.0
  • Bateria: 4.500 mAh.
  • Dimensões: 164,8 x 77,2 x 8,1 mm, 208 gramas