Com mais um período de eleições a caminho, o fluxo de notícias e informações (muitas delas falsas) deve aumentar consideravelmente entre os grupos de WhatsApp. Pensando nisso, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) firmou uma parceria com o mensageiro e lançou um assistente virtual para informar o eleitor sobre as eleições municipais deste ano. E isso inclui o esclarecimento de fake news, além de dicas de como votar com segurança seguindo as recomendações sanitárias por conta do novo coronavírus.

Os usuários poderão interagir com o chatbot através do número (61) 9637-1078 ou abrir o link wa.me/556196371078 no celular ou no WhatsApp Web.

De acordo com o TSE, o bot Tira-dúvidas no WhatsApp traz diversos assuntos de interesse do eleitor, que vão desde informações sobre dia, horário e local de votação, até dicas para mesários. Por meio de uma conversa com o chatbot, é possível acessar os principais links de serviço, baixar o aplicativo e-Título e conferir as principais dicas para eleitores e mesários, além de justificar a ausência às urnas.

O assistente virtual oferece ainda um serviço voltado exclusivamente ao esclarecimento de notícias falsas envolvendo o processo eleitoral brasileiro: o “Fato ou Boato?”. Ao selecionar o tópico, o usuário pode acessar alguns conteúdos desmentidos por agências de checagem de fatos e desmistificar os principais boatos sobre a urna eletrônica.

Além da criação do chatbot, a parceria entre o TSE e WhatsApp prevê a criação de uma página para que os usuários possam denunciar contas suspeitas de realizar disparos em massa – uma das condutas proibidas pela lei eleitoral e também pelos Termos de Serviço do aplicativo. Se você viu ou desconfia de algum desses grupos no seu WhatsApp, pode fazer sua denúncia preenchendo um formulário neste link. O canal funcionará até o dia 19 de dezembro.

O WhatsApp já vinha fazendo esforços para tentar diminuir a propagação de notícias falsas e conteúdos em massa compartilhados no aplicativo. No início de 2019, o mensageiro passou a limitar o encaminhamento de mensagens para apenas cinco pessoas ou grupos. Cerca de um ano depois, em abril, uma mensagem retransmitida inúmeras vezes só pode ser encaminhada para um único destinatário. O próprio WhatsApp agora exibe um link nessas mensagens redirecionando o usuário para o Google, para então pesquisar mais sobre o assunto.

As mudanças surtiram um efeito significativo: o encaminhamento de mensagens na plataforma caiu 70%. E a medida deu tão certo que está se expandindo para outros apps controlados pelo Facebook. O Messenger, por exemplo, também não permite mais o encaminhamento massivo de conteúdos.

Vamos ver se nesta eleição as coisas serão um pouco diferentes, já que, no período eleitoral de 2018, o WhatsApp diz ter banido 400 mil contas por violar termos de uso do app – o que inclui o disparo de mensagens em massa.