A notificação apareceu sem aviso no momento em que eu sincronizava o rastreador Whoop que eu estava testando: o rastreador mostrou uma nova métrica, a frequência respiratória. Na verdade, eu quase o ignorei. Mas a notificação usou o termo COVID-19, e meus olhos se arregalaram.

Às 7 horas da manhã, eu estava com os olhos turvos, sem cafeína e ainda me adaptando à minha nova realidade de não poder sair de casa. Mas, pelo que pude perceber, esse rastreador estava me dizendo que havia uma possível correlação entre a frequência respiratória do meu sono e as novas manchetes sobre o coronavírus. Isso era real ou baboseira de marketing?

A Whoop pode ter sido a primeira empresa de tecnologia vestível a me alertar sobre a relação entre métricas em um dispositivo e o COVID-19, mas certamente não foi a última. Parecia que as empresas de vestíveis, grandes e pequenas, tiveram a mesma ideia: que seus dispositivos pudessem ser úteis na luta contra a doença.

Parecia promissor — uma progressão lógica de como os wearables nos últimos anos obscureceram cada vez mais a fronteira entre a tecnologia de bem-estar e os dispositivos médicos.

Apple Watches e alguns outros relógios inteligentes agora podem fazer eletrocardiogramas — um teste que pode medir a atividade elétrica do batimento cardíaco — diretamente do pulso. Mas os vestíveis se concentraram principalmente em coisas como sono, saúde reprodutiva e doenças cardíacas. Detectar doenças infecciosas é um território novo e, sem dúvida, não é algo para o qual esses dispositivos foram realmente projetados.

Para cada história emocionante de um Apple Watch ou Fitbit salvando a vida de alguém, existe outra história oculta sobre a tecnologia da saúde vendendo promessas falsas e marketing obscuro que se passa por ciência.

Com as apostas sobre o COVID-19 tão altas, quanto disso é um desejo genuíno das empresas de vestíveis de emprestar seus conhecimentos durante uma crise sem precedentes? Quanto uma ação de relações públicas visa aumentar a boa vontade no momento em que os consumidores são mais cuidadosos com suas carteiras? E será que existe um futuro em que o seu smartwatch o avise antes que você fique doente?

Pode parecer ficção científica, mas há motivos para acreditar que os vestíveis podem ser úteis na detecção de infecções. Se os pesquisadores conseguem descobrir como, a tempo de fazer a diferença contra o COVID-19, aí já é outra história.


Tentando entender padrões nos dados de pulseiras

Minha conversa pelo Zoom com Michael Snyder foi a primeira entrevista que já fiz em que alguém que não fosse eu estava usando vários relógios inteligentes — três relógios e um anel inteligente Oura, para ser mais precisa. Não há muito motivo para isso tudo, a não ser que você seja um crítico de tecnologia ou esteja pesquisando possíveis aplicações sobre o que esses dispositivos podem fazer. Snyder, diretor de genômica e medicina personalizada da Faculdade de Medicina da Universidade de Stanford, se encaixa neste último caso.

Snyder lidera um dos dois estudos relacionados ao coronavírus nos quais a Fitbit está envolvida, o Estudo de Dados de Vestíveis, que busca estudar se vestíveis podem prever o COVID-19. (O outro é o estudo DETECT do Scripps Research Translational Institute, que visa melhorar a detecção e a contenção de surtos).

Ele me disse que há realmente evidências clínicas de que os vestíveis podem ser capazes de detectar doenças infecciosas precocemente com base em um estudo pela Stanford publicado em 2017 que descobriu que esses dispositivos podem ser úteis para identificar quando você fica doente detectando anormalidades fisiológicas.

Michael Snyder, diretor de genômica e medicina personalizada de Stanford, usa muitos dispositivos vestíveis em sua busca para ver se eles podem ajudar a detectar doenças infecciosas precocemente. Imagem: Steve Fisch/Stanford

As métricas exatas que os pesquisadores estão estudando variam, dependendo o que os sensores que o smartwatch ou rastreador de fitness de um participante podem rastrear.

De maneira geral, enquanto os fabricantes de dispositivos móveis fornecem acesso ao hardware, uma população para os pesquisadores estudarem (sua base de usuários) e dados para aqueles que optam por participar, os pesquisadores médicos são os que tentam encontrar padrões nos dados.

Existem diferenças, dependendo do estudo, mas os pesquisadores com quem conversei estão examinando uma ampla gama de métricas que incluem frequência cardíaca, variabilidade da frequência cardíaca, sono, níveis de saturação de oxigênio no sangue, frequência respiratória, temperatura da pele e até atividade geral para encontrar um ligação entre os sintomas de COVID-19 e os dados rastreados por dispositivos vestíveis.

Se isso parece muita coisa, é porque ainda não sabemos muito sobre o novo coronavírus, e os pesquisadores estão procurando algo que possa se destacar.

Uma métrica significativa é a frequência cardíaca. O estudo de Stanford de 2017 e um estudo mais recente de 2020 da Scripps Research observam uma correlação entre as infecções e a frequência cardíaca em repouso elevada.

Mas enquanto o estudo da Scripps se concentrou em saber se os dados dos dispositivos vestíveis poderiam ajudar a detectar surtos em tempo real, o estudo anterior de Stanford focou na possibilidade de detectar infecções antes que os sintomas externos apareçam.

Snyder participou do estudo de Stanford, que envolveu o monitoramento de métricas, incluindo frequência cardíaca e níveis de SpO2 (saturação de oxigênio), em vários dispositivos.

Em uma ocasião durante o desenvolvimento do estudo, Snyder visitou seu irmão na zona rural de Massachusetts. Duas semanas depois, ele estava voando para a Noruega com escala em Frankfurt e, na última etapa do voo, ele notou que os níveis de oxigênio no sangue informados em seu rastreador de fitness pareciam anormalmente baixos e sua frequência cardíaca anormalmente alta.

Mais tarde, Snyder teve uma febre baixa e suspeitou que a doença de Lyme pudesse ser a culpada — uma suspeita que foi confirmada posteriormente por um teste de anticorpos. Como Snyder havia coletado sangue antes de visitar seu irmão, esse era um caso bem claro — essas amostras haviam dado negativo para a doença.

A experiência levou sua equipe a examinar mais de dois anos de dados de Snyder. Eles descobriram que, além do episódio de Lyme, ele esteve doente outras três vezes — e em uma dessas vezes, Snyder havia sido assintomático.

Durante uma infecção, explicou Snyder, seu sistema imunológico produz algo chamado proteína C-reativa. Uma infecção grave, como a doença de Lyme, resultaria em níveis extremamente elevados desta proteína específica, algo que Snyder notou em exames de sangue subsequentes, mesmo que no momento ele não tivesse realmente se sentido mal.

A equipe então descobriu que todas as vezes que seus níveis de proteína C-reativa aumentavam, a frequência cardíaca e a temperatura da pele de Snyder aumentavam antes que os sintomas aparecessem. Esses resultados foram iguais para outras três pessoas envolvidas no estudo. Todas as vezes foram observados batimentos cardíacos elevados antes das pessoas adoecerem.

“Estamos falando de dezenas de milhões de pessoas com smartwatches que podem ser protetores de saúde para doenças infecciosas como o COVID-19.”

Reportagens, mídias sociais e conferências de imprensa do governo enfatizaram que portadores assintomáticos podem transmitir o COVID-19 sem nem mesmo saber. As pessoas infectadas também podem espalhar o vírus nos dias que antecedem a tosse e a febre.

Dito isto, ser “assintomático” pode ser um nome impróprio se métricas invisíveis como frequência cardíaca, frequência respiratória ou até temperatura da pele puderem indicar uma infecção. Se uma empresa de vestíveis pudesse criar um algoritmo que alertasse todas as pessoas potencialmente doentes com um rastreador ou smartwatch antes que os sintomas externos aparecessem, os benefícios seriam imensos.

As pessoas saberiam quando se autoisolar. Os trabalhadores da linha de frente receberiam um aviso, e os profissionais de saúde poderiam ter uma imagem mais precisa das taxas de infecção. Você poderia fazer uma triagem para cuidar de populações vulneráveis ​​com mais eficiência. O mais importante, você poderia reduzir drasticamente a taxa de infecção.

Esse é o objetivo final.

No momento, o Estudo de Dados de Vestíveis de Stanford está procurando participantes — especificamente, pessoas que tiveram um caso confirmado ou suspeito de COVID-19, foram expostas a alguém que teve ou pode ter COVID-19 ou pessoas que estão em situação de maior risco de exposição, como trabalhadores essenciais.

Quando um número suficiente de pessoas entrar no site de Stanford e fornecer os seus dados, a segunda fase envolverá a construção de um painel pessoal que pode informar as pessoas quando elas estão ficando doentes. E embora o algoritmo do estudo original de Stanford tenha sido desenvolvido usando um relógio Basis e alguns outros dispositivos descontinuados, este novo estudo pretende ser independente do dispositivo. Fitbits, Apple Watches e anéis Oura são apenas alguns dos acessórios incluídos.

“Muitas pessoas que têm um smartwatch e estão doentes têm se inscrito”, diz Snyder. “Há muitos usuários de relógios inteligentes por aí. Existem 30 milhões de usuários ativos da Fitbit nos EUA, milhões da Apple Watch. Estamos falando de dezenas de milhões de pessoas com relógios inteligentes que podem ser protetores de saúde para doenças infecciosas como o COVID-19.”

Parece bom demais para ser verdade e, sinceramente, existem muitos obstáculos no caminho.

Snyder me disse que eles estão trabalhando a todo vapor em Stanford e acredita que a primeira fase do estudo será realizada em questão de semanas. Ainda assim, as empresas de vestíveis terão que obter autorização da Administração de Medicamentos e Alimentos (FDA) dos EUA antes de lançar os recursos preditivos de COVID-19, que é um processo totalmente diferente.

Veja o Withings Move ECG, um relógio que oferece capacidade de eletrocardiograma assim como o Apple Watch, anunciado na CES 2019. Apesar de solicitar a liberação do FDA e receber uma marcação CE (o equivalente europeu), ele ainda não está disponível nos EUA.

Além do mais, existe o simples fato de que a medicina não se move tão rapidamente quanto a tecnologia — por um bom motivo. É verdade que os testes em humanos para uma vacina contra o COVID-19 já estão em andamento, mas ainda estamos a vários meses ou anos de uma vacina viável produzida em massa.

Os pesquisadores podem ter encontrado uma relação potencial entre os dados biométricos e o COVID-19, mas isso não significa que, no próximo ano, estaremos verificando nossos pulsos para ver se estamos infectados. Embora a FDA tenha um programa piloto para acelerar os recursos médicos baseados em software, não está claro se o software relacionado ao COVID-19 seria incluso como parte deste programa.

“Esse software precisa antes ser lançado como um estudo de pesquisa, porque esses não são dispositivos medicamente aprovados”, admite Snyder. “Assim que você começa a entrar no lado médico da coisa, tudo fica muito, muito regulamentado.”


Monitorando sinais vitais como temperatura e frequência respiratória

Você provavelmente nunca ouviu falar da Ava, um rastreador de saúde reprodutiva, a menos que você ou seu parceiro tenham tido problemas para ter filhos. Mas em Lichtenstein, o governo já equipou cerca de 2.000 cidadãos — mesmo aqueles que não estavam tentando ter um bebê — com uma pulseira Ava para ver se a detecção precoce do COVID-19 é possível.

Entre as empresas de vestíveis, a Ava se destaca como uma das poucas que se envolve de maneira proativa em pesquisas clínicas e publica estudos em revistas médicas revisadas por pares. A pulseira é um produto médico licenciado, que recebeu a aprovação da FDA como dispositivo médico de Classe Um em 2016.

À medida que a pandemia global piorava, a fundadora da Ava, Lea von Bidder, estava disposta a divulgar que a empresa estava procurando parceiros de pesquisa para ver se seus dispositivos e conhecimentos clínicos poderiam ser utilizados.

O compromisso da Ava com a pesquisa científica faz com que pareça o candidato ideal para o desenvolvimento rápido de uma solução vestível para o COVID-19. A empresa tem experiência na obtenção de aprovação regulatória, emprega uma equipe clínica além de uma equipe de dados e já possuía as permissões necessárias para acelerar o processo. E, como Stanford, a Ava já havia investigado infecções — no caso, durante a gravidez — e já possuía alguns dados.

O resultado é o estudo COVI-GAPP, que tentará verificar se os cinco parâmetros medidos por Ava — temperatura da pele, frequência de pulso em repouso, perfusão, frequência respiratória e variabilidade da frequência cardíaca — podem ser usados ​​para criar um algoritmo que identificaria o COVID-19 em um estágio inicial, “mesmo quando não há sintomas típicos da doença”.

2.000 cidadãos de Lichtenstein estão usando o rastreador Ava em um grande estudo para ver se ele consegue detectar o COVID-19 cedo. Foto: Victoria Song/Gizmodo

Em termos de objetivos, este estudo COVI-GAPP e o Estudo de Dados de Vestíveis da Stanford não são muito diferentes. Ambos coletarão dados, procurarão padrões e, espera-se, construirão um algoritmo capaz de detectar o COVID-19 antes que os sintomas apareçam. Há uma diferença notável, no entanto, em termos de expectativas.

Apesar dos esforços, estudos ainda são inconclusivos

Ao telefone, von Bidder parecia determinada, mas também realista ao discutir o que o estudo espera alcançar. Por exemplo, enquanto Snyder espera desenvolver um algoritmo viável — ou pelo menos um protótipo de um — para ajudar a crise nos próximos meses, von Bidder tem como alvo uma segunda onda potencial de infecções por COVID-19.

De fato, os primeiros “resultados tangíveis” do estudo COVI-GAPP não são esperados até o último trimestre de 2020. Depois disso, o estudo passará para uma segunda fase, que incluiria toda a população de Lichtenstein — e isso pressupõe que os pesquisadores encontrem alguma coisa a princípio.

“Ainda nem sabemos como esses parâmetros interagem com o COVID-19”, von Bidder me disse. “Vamos começar por aí. Essa coisa toda pode nunca funcionar. Acho que há motivos suficientes para acreditar que vai funcionar, mas ainda não sabemos se funcionará rápido o suficiente. Minha suposição é que chegaremos lá, caso contrário, eu não investiria todo esse tempo e dinheiro na tentativa de descobrir, mas não é tão simples assim”.

“Você poderia dizer às pessoas que elas estão com COVID-19 quando não têm e dizer a outras pessoas que não têm, quando elas estão doentes.”

Mesmo que os pesquisadores encontrem uma relação entre as métricas que a Ava pode rastrear e o COVID-19, ainda há uma questão de sensibilidade e especificidade. Não é muito útil se um dispositivo vestível puder detectar que você está com febre quando você já sabe que está. Há também a questão de como notificar alguém sobre um diagnóstico potencialmente traumático.

“É melhor dizer para você: ‘Você definitivamente tem COVID-19’ , ou dizer: ‘Ei, você pode ter COVID-19, faça o teste’?”, perguntou von Bidder. “Essa é uma aplicação altamente médica, porque você realmente interfere e precisa ter muita certeza do que está fazendo. Você poderia dizer às pessoas que elas estão com COVID-19 quando elas não estão e dizer a outras pessoas que não estão quando elas estão doentes.”

Snyder também foi franco quanto a possíveis limitações. A temperatura da pele, embora seja uma métrica lógica para determinar se uma pessoa pode ter COVID-19, não é algo que todos os rastreadores podem medir. Além disso, muitas pessoas infectadas com o novo coronavírus podem nunca ter febre. A precisão das leituras de temperatura da pele também depende de quão frequentemente, ou não, uma pessoa usa seu dispositivo.

Por fim, ainda não está claro se algum algoritmo poderia distinguir entre tipos de infecções virais — como o dispositivo poderia diferenciar entre uma gripe ou resfriado comum e o COVID-19?

Além do mais, há a questão de saber se os vestíveis seriam capazes de detectar a infecção com rapidez suficiente.

O problema com os dados é que eles podem ser muito ruidosos.

“Minha única preocupação é que, mesmo considerando indivíduos sintomáticos, o grau mais alto de transmissão e difusão viral realmente está no período pré-sintomático”, disse Thomas Tsai, professor assistente do Departamento de Política e Gerenciamento de Saúde da Harvard TH Chan School of Public Health, ao Gizmodo por telefone. “Então, na verdade, é improvável que os vestíveis possam prever o período mais infeccioso.”

Tsai continuou observando que é bom que esse tipo de pesquisa esteja acontecendo. Quanto mais aprendermos sobre o COVID-19, melhores as autoridades de saúde pública poderão enfrentar a pandemia de maneira eficaz.

O problema com os dados é que eles podem ser muito ruidosos. Sua frequência cardíaca pode se elevar porque você está assistindo a um filme de terror, e talvez sua frequência respiratória adormecida não seja ideal porque seu gato mia muito alto todas as noites às 4 da manhã.

Voltando ao estudo de Stanford de 2017, Tsai é um pouco cético sobre a relação entre proteínas C-reativas e frequência cardíaca.

Uma rápida atualização: o estudo identificou altos níveis de proteína C-reativa com frequência cardíaca elevada como sinal de doença. No entanto, os vestíveis disponíveis comercialmente podem nem ter os sensores apropriados para medir de forma consistente e precisa os níveis de proteína C-reativa. Mesmo que essa correlação seja confirmada no atual estudo em andamento, não é garantido que tenha um impacto na forma como os médicos tratam a COVID-19.

“A proteína C-reativa é um marcador muito inespecífico para a inflamação”, explica Tsai. “Minha preocupação é quando olhamos para trás e tentamos encontrar padrões entre a frequência cardíaca e alguns marcadores que vemos, retrospectivamente, em padrões baseados em dados ruidosos. Eles podem realmente não mudar o curso clínico.”


O problema da burocracia e questões de privacidade

Mas mesmo que o sinal seja encontrado, a burocracia não foi a lugar algum. O estudo COVI-GAPP é um ponto fora da curva. O dispositivo Ava não apenas tem experiência em superar obstáculos regulatórios, mas o governo de Lichtenstein também foi rápido, proativo e pronto para abrir a carteira para financiar esse tipo de pesquisa em dispositivos médicos. Lichtenstein também tem uma população pequena e confinada.

Mas os EUA são uma nação grande e extensa, que foi lenta e mal preparada para impedir a disseminação de COVID-19. Em fevereiro, a FDA emitiu uma Autorização de Uso de Emergência para dispositivos médicos à luz da pandemia. Se ele for útil permanece um mistério. No entanto, isso levou as pessoas a serem criativas em encontrar novas maneiras de usar a tecnologia para ajudar na falta de equipamentos que salvam vidas, como ventiladores e equipamentos de proteção individual.

A Fitbit também está trabalhando com pesquisadores para encontrar maneiras de detectar a COVID-19 mais cedo. Foto: Victoria Song/Gizmodo

Também poderia teoricamente ser usado por empresas de vestíveis que implementam algoritmos de detecção. Pedi à FDA que esclarecesse se consideraria aprovações de rastreamento rápido para um algoritmo para detectar precocemente o COVID-19 usando o software para vestíveis existentes.

Em resposta, a FDA me enviou sua política de saúde digital para o COVID-19. De acordo com a política, a maioria dos aplicativos e sistemas de software para “vigilância e comunicação em saúde pública” não exige autorização ou aprovação, pois não são dispositivos médicos.

A política também declara que a FDA “não pretende impor os requisitos da Lei de Alimentos, Medicamentos e Cosméticos no momento para determinados softwares de menor risco” — mas não está claro se os algoritmos de detecção precoce se enquadram nessa categoria. Provavelmente não.

Para softwares de alto risco — qualquer tipo de recurso de diagnóstico, por exemplo — a política se refere ao processo da Autorização de Uso de Emergência. Isso significa que, mesmo com processos acelerados, verificar esse tipo de tecnologia experimental provavelmente levará mais tempo do que qualquer um gostaria. Dito isto, uma orientação clara da FDA é absolutamente necessária do ponto de vista de segurança.

Para o consumidor médio, as linhas entre os recursos educacionais e os dispositivos de diagnóstico às vezes podem ser muito tênues.

Pegue o Whoop, por exemplo, o rastreador do sono que eu estava testando quando vi uma notificação sobre COVID-19. A política de saúde digital da FDA explica por que o Whoop pode implementar rapidamente uma métrica da frequência respiratória: enquanto o próprio aplicativo Whoop explica a possível relação entre a frequência respiratória e COVID-19, a empresa fornece a métrica para monitoramento passivo ou registro no diário do usuário. O Whoop não vai dizer se você tem COVID-19 ou o que fazer se sua frequência respiratória mudar drasticamente da noite para o dia.

Emily Capodilupo, vice-presidente de ciência e pesquisa de dados do Whoop, disse em um recente podcast que o rastreador “não é um dispositivo médico” e que o objetivo não é “diagnosticar qualquer doença ou condição, especialmente que não seja COVID-19 ou gripe”.

A ideia é conscientizar os usuários de suas linhas de base, com o conhecimento de que uma mudança repentina e drástica pode sinalizar… alguma coisa. Dito isto, o Whoop também está participando de um estudo com a Cleveland Clinic e Universidade Central de Queensland, na Austrália, para ver se uma ligação potencial entre a taxa respiratória e COVID-19. Vale a pena repetir: nenhum dispositivo vestível no mercado pode diagnosticar o COVID-19.

Mas a parte da pesquisa não é exatamente o problema. É o que vem depois.

E não há indicação de que o Whoop (ou Fitbit, Oura, Apple ou outros grandes fabricantes de vestuário) estejam anunciando que podem fazer isso. Mas isso não impediu as pessoas de comprarem em pânico qualquer coisa que lhes desse uma chance maior de prevenir (ou sobreviver) a doenças.

De acordo com a American Lung Association, as pessoas também estão adquirindo oxímetros de pulso — e impedindo que eles possam ser vendidos para hospitais e pessoas que realmente precisam deles — porque podem detectar ou quantificar precocemente a falta de ar, um sintoma bem conhecido de COVID-19.

“A fixação nas leituras do oxímetro de pulso pode fornecer uma falsa sensação de segurança”, afirmou Albert Rizzo, diretor médico da American Lung Association, em comunicado. “Em alguns casos, eles pegam problemas nos pulmões antes que você tenha problemas com a falta de ar. No entanto, também é possível que o dispositivo mostre níveis saudáveis ​​de saturação de oxigênio mesmo com problemas respiratórios, o que pode levar alguns indivíduos a adiar a procura de cuidados urgentemente necessários.”

Não é absurdo se preocupar que os consumidores possam analisar todos esses estudos e desenvolver expectativas irreais que possam causar mais danos do que o pretendido, ou deixar os profissionais de saúde limpando a bagunça das grandes empresas de tecnologia.

“Eu não diria às pessoas para comprar uma pulseira Ava para esse propósito amanhã”, diz von Bidder, da Ava. “Nós claramente dizemos às pessoas para não fazer isso”.


Caso um algoritmo preciso, implementado de maneira bem pensada, liberado pela FDA, que funcione em qualquer dispositivo seja desenvolvido e distribuído para rastreadores de atividade física e smartwatches em todo o mundo, a privacidade é um grande asterisco. Afinal, as empresas de tecnologia treinam seus algoritmos com muitos e valiosos dados de saúde.

Tecnicamente, a Lei de Portabilidade e Responsabilidade do Seguro de Saúde (HIPAA) existe para proteger suas informações médicas, mas especialistas vêm dizendo há anos que a legislação precisa evoluir com o tempo, principalmente no que diz respeito à tecnologia vestível.

Conversei com Whoop, Fitbit, Stanford e Ava sobre como eles estão abordando a privacidade de dados em relação aos estudos de COVID-19. As respostas gerais foram as seguintes: todos os padrões éticos estão sendo respeitados, todos os dados são agregados, nenhum deles está sendo compartilhado com os anunciantes e todos os estudos são totalmente aceitos.

Capodilupo, do Whoop, me disse que o Whoop só começou a investigar COVID-19 quando os usuários que testaram positivo os contataram e ofereceram seus dados.

Dito isso, Snyder mencionou que um grande atrativo da colaboração com a Fitbit é a experiência da empresa em gerenciar muitos dados em tempo real. Quando perguntei à Fitbit sobre isso, a empresa reiterou seu compromisso com a privacidade e disse que nenhum dado coletado é pessoalmente identificável. E, novamente, todo mundo precisa optar por compartilhar seus dados ao se inscrever no estudo de Stanford.

Mas a parte da pesquisa não é exatamente o problema. É o que vem depois.

Quem tem a propriedade sobre algum algoritmo em potencial que é criado? Como convencer as empresas de dispositivo vestíveis a implementar tecnologias que não possuem em seus dispositivos (especialmente se não está claro como será monetizado)? Quem consegue ver com que frequência você fica doente e quem é o proprietário desses dados? O HIPAA (legislação de informações do ramo da saúde dos EUA) protege essas informações se elas não estiverem sendo compartilhadas diretamente com os profissionais de saúde, mas enviadas aos usuários como uma notificação? Se a FDA agilizar aprovações para recursos de diagnóstico vestíveis durante a pandemia, isso cria um novo precedente quando tudo acabar?

Enquanto a Stanford está trabalhando em um algoritmo independente de dispositivo, é menos claro se um potencial algoritmo do estudo COVI-GAPP funcionará universalmente.

A Whoop afirma que começou a investigar a relação entre os dados que reúne e a COVID-19 depois que os usuários entraram em contato. Foto: Victoria Song/Gizmodo

Fabricantes de vestíveis estão colaborando com os pesquisadores e deixando que eles assumam a liderança agora. No entanto, depois que a pesquisa for concluída, esses fabricantes poderão criar seus próprios algoritmos de detecção de COVID-19 proprietários.

Idealmente, como a a futura tecnologia de rastreamento de contatos da Apple e do Google, qualquer algoritmo de detecção de COVID-19 para wearables funcionaria em qualquer dispositivo disponível para adoção rápida e generalizada, e não apenas em uma marca específica. No caso de algoritmos proprietários, todos devemos ser um pouco cautelosos.

Fitbit e Withings são duas empresas de wearables que já divulgaram tendências de como seus usuários foram impactados pelo COVID-19. Todos os dados são agregados, mas você tem uma ideia do quanto essas empresas sabem sobre nós.

A Withings, por exemplo, publicou um blog post que inclui uma discriminação por país de quanto peso as pessoas ganharam (ou não) desde que as políticas de bloqueio começaram, que tipos de exercícios as pessoas estão fazendo e quanto as pessoas dormem.

A Fitbit publicou vários blog posts, completos com gráficos, mapas e tabelas sobre atividade física, padrões de sono e se as pessoas ao redor do mundo estão cumprindo ordens de lockdown com base na contagem de passos.

A Fitbit usa seus dados agregados para produzir gráficos chamativos. Imagem: Fitbit

Estes dados, embora valiosos, não estão exatamente no mesmo nível que os dados em seus registros médicos. Mas previsões precoces de infecção? Isso é mais uma área cinzenta e não está claro se as pessoas trocarão seus dados de saúde pelo que poderia ser um diagnóstico para salvar vidas.

“A preocupação com a privacidade é justificada. É uma das principais razões pelas quais as pessoas não compram um rastreador de fitness ou um smartwatch”, disse Ramon Llamas, diretor de pesquisa da IDC que é especialista em tecnologia vestíveis, ao Gizmodo. “Mas se adicionarmos o COVID-19 à mistura e surgir uma solução viável, algumas pessoas podem mudar de ideia. Algumas dessas fabricantes talvez façam as coisas do jeito certo.”

Llamas disse que toda a pesquisa aponta para um fato simples: a conveniência supera tudo. Embora existam desvantagens potenciais para a maioria das novas tecnologias, um aplicativo ou uma função matadora facilita as compensações de privacidade — especialmente aquelas que poderiam salvar sua vida.

Por exemplo, o primeiro Apple Watch foi caracterizado como um luxo desnecessário, mas milhões já se acostumaram com a ideia de possuir um — ou dar um de presente — com base na premissa de que isso poderia melhorar sua saúde.

Se um smartwatch puder dizer com segurança quando você está doente — ou prestes a ficar –, isso pode deixar a questão da privacidade de lado para algumas pessoas. Também é possível que os recursos de detecção precoce possam não ser convenientes o suficiente para suprimir as preocupações com a privacidade.

Em vez de provocar excitação ou alívio, as ferramentas de diagnóstico de COVID-19 podem, em vez disso, evocar imagens distópicas do Minority Report e do Black Mirror. É impossível julgar de qualquer maneira até que a tecnologia esteja totalmente desenvolvida e pronta para o mercado de massa.

“Algumas pessoas podem pensar em dizer, tudo bem, do que tenho que desistir para ter esse pouco de conveniência e tranquilidade?” Llamas disse. “É uma questão ainda a ser resolvida, mas se alguma coisa for suficiente para dar às pessoas uma pausa.”


Trabalho com relógios inteligentes está evoluindo

Então, é possível que os relógios inteligentes possam ajudar a mitigar a disseminação de COVID-19? A resposta é insatisfatória.

Nem tudo é conversa de marketing — há evidências confiáveis ​​de que os wearables podem nos ajudar a entender melhor e, na melhor das hipóteses, detectar precocemente doenças infecciosas. Mas também existem muitas perguntas não respondidas e variáveis ​​desconhecidas que dificultam a afirmação com certeza de que os wearables serão úteis no momento.

Mesmo que seja encontrada uma inovação, não é evidente que isso mude a maneira como as autoridades de saúde pública abordam essa pandemia, disse Tsai. O que é necessário são mais testes — o que as autoridades de saúde vêm repetindo ad nauseum desde que tudo isso começou.

O impulso de, pelo menos, tentar resolver os problemas causados ​​pelo COVID-19 com tecnologia vestível é compreensível. Mas também é importante lembrar que quaisquer algoritmos, softwares ou dispositivos que eventualmente cheguem ao mercado, eles não restaurarão magicamente o mundo de volta ao que era. Afinal, não há como colocar o novo coronavírus de volta em uma caixa.

Os cientistas dizem que a pandemia provavelmente permanecerá até que uma vacina seja desenvolvida ou que a imunidade natural seja disseminada. Há muito potencial para uma solução baseada em wearables — e muitos obstáculos regulatórios que existem para proteger o público de todas as esquinas.

Se um dia, em breve, seu pulso tocar e seu smartwatch perguntar se você gostaria de participar de um estudo secreto de 19, talvez valha a pena considerar oferecer seus dados para a ciência. Talvez fazer isso ajude a tornar uma futura pandemia menos tenebrosa.